Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
11/01/2007 - 11h04

Chuva atinge cidade inundada por lama em MG; cidades do Rio ficam sem água

Publicidade

da Folha Online

Os moradores de Miraí (MG), que foi inundada por lama na quarta-feira (10) devido ao rompimento de uma barragem, passaram a madrugada desta quinta em claro, com medo de que a tempestade que atingiu a região causasse novos alagamentos. De acordo com a Defesa Civil, embora o rio Fubá tenha atingido seu nível máximo, não houve novos transbordamentos.

O acidente que provocou o derramamento de lama no rio Fubá aconteceu na manhã de quarta, em uma barragem da Mineradora Rio Pomba Cataguases, a exemplo do ocorrido em março de 2006. Desta vez, segundo o secretário do Meio Ambiente de Minas, José Carlos Carvalho, a empresa será impedida de reconstruir a barragem e será multada em R$ 50 milhões.

De acordo com uma análise preliminar do Sisema (Sistema Estadual de Meio Ambiente), a lama é composta apenas por água e argila e não é tóxica. O sistema estima que tenham vazado dois milhões de metros cúbicos, o equivalente a dois bilhões de litros da substância.

O número de pessoas que foram desalojadas ou desabrigadas por conta das inundações ainda não foi definido, mas a Defesa Civil Estadual estima que esteja entre 2.000 e 3.000. Os cuidados à população atingida pelo acidente estão concentrados na Câmara Municipal e são coordenados por uma força-tarefa criada pelo governo de Minas. Cestas-básicas, colchões e roupas estão sendo levados para o local.

Materiais de limpeza para a retirada da lama foram entregues aos moradores e a Fundação Rural Mineira disponibilizou máquinas para retirada da lama. Outra medida adotada foi o envio de caminhões-pipa e copos de água para garantir o abastecimento, segundo a Copasa (Companhia de Saneamento de Minas Gerais).

O DER (Departamento de Estradas de Rodagem) enviou equipes para a região para avaliar a necessidade da construção de acessos provisórios onde houve queda de pontes ou interrupção de trechos de estradas.

Sem água

Na manhã desta quinta, a Cedae (Companhia Estadual de Águas e Esgotos), ligada ao governo do Rio, interrompeu a captação de água na altura das cidades Laje do Muriaé, São José de Ubá e Itaperuna, que são banhadas pelo rio Muriaé, extensão do rio Fubá. O fechamento é uma medida preventiva à chegada da mancha de lama à região.

De acordo com a Cedae, a água do rio está 200 vezes mais turva que o normal, por conta da concentração de argila, e é mais rápido interromper a captação e retomá-la após a passagem da mancha que limpar a estação de tratamento. Durante o período em que a captação ficar parada, os moradores contarão com caminhões-pipa.

Histórico

Em março de 2006, o vazamento durou três dias. Naquela ocasião, os 400 milhões de litros de resíduos de tratamento de bauxita --água e argila-- atingiram um córrego da região e chegaram ao Rio de Janeiro. Os moradores de Laje do Muriaé tiveram o abastecimento de água suspenso em caráter preventivo, devido à possibilidade de contaminações.

Em 2003, uma barragem pertencente às empresas Cataguases de Papel e Cataguases Florestal também rompeu e provocou o despejo de 1,2 bilhão de litros de resíduos --desta vez, tóxicos-- nos rios Pomba e Paraíba do Sul, atingindo o norte e o noroeste fluminenses.

Leia mais
  • Indústria mineral atribui vazamento de lama em MG a chuvas
  • MG fecha mineradora após vazamento de lama; produto não é tóxico
  • Barragem rompe e causa inundações em Minas; mancha ameaça Rio

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre crimes ambientais
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


    Voltar ao topo da página