Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
24/02/2007 - 09h11

Mantega fica sete horas como refém em assalto

Publicidade

ANDRÉ CARAMANTE
GILMAR PENTEADO
da Folha de S.Paulo

O ministro Guido Mantega (Fazenda), sua mulher e um casal de amigos com seus filhos foram mantidos reféns por uma quadrilha durante sete horas --entre as 23h de terça-feira e as 6h de quarta-- em um sítio em Ibiúna (64 km a oeste de São Paulo).

Leopoldo Silva/Folha Imagem
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, vítima de assalto no interior de São Paulo
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, vítima de assalto no interior de São Paulo
O sítio pertence a um amigo do ministro --que, por questões de segurança, não quer ter seu nome revelado. Segundo o delegado-geral da Polícia Civil de São Paulo, Mário Jordão Toledo Leme, Mantega não foi reconhecido pelos criminosos, embora policiais da região tenham dito à Folha o contrário.

Após fazer Mantega e seus amigos reféns (sem amarrá-los), três criminosos, que usavam revólveres e capuz, obrigaram o dono do sítio a viajar de Ibiúna até São Paulo para realizar saques em caixas eletrônicos, acompanhado por um dos criminosos. O trajeto foi feito no carro da própria vítima. Para invadir o local, eles renderam um caseiro.

À Folha, o dono do sítio disse que todos viveram momentos de muita tensão e que não queria falar nada sobre o amigo Mantega. Os ladrões levaram dinheiro, objetos e duas armas do amigo do ministro, que atua no ramo da construção civil e disse ter feito a reunião com os amigos, na noite de terça, para comemorar o Carnaval.

Depois de roubar objetos e dinheiro, os três criminosos obrigaram o empresário dono do sítio a pegar seu carro novamente e a levá-los até uma região pouco movimentada de Ibiúna, também na área rural. Ali, eles o liberaram e fugiram.

A Polícia Civil só admitiu ontem que o ministro foi mantido refém no roubo após prender três homens que foram reconhecidos como autores de outro assalto na região de Ibiúna --seus nomes não foram revelados, nenhum deles tinha passagem pela polícia.

Os suspeitos, que tiveram a prisão temporária decretara, negaram os crimes. Segundo a polícia, no roubo anterior os três, que não sabem dirigir, também obrigaram a vítima a dirigir o carro para a fuga.

Sem detalhes

Em entrevista coletiva, o delegado-geral disse ontem à tarde que não tinha o boletim de ocorrência do caso e que não sabia precisar detalhes do assalto. Leme não soube dizer, por exemplo, se o amigo do ministro sacou dinheiro em caixas eletrônicos para entregar aos criminosos.

"No dia foi feito um B.O. [boletim de ocorrência] sem muitos detalhes", afirmou o delegado-geral. "O ministro e o dono da chácara ainda serão ouvidos", disse.

Segundo Leme, o assalto durou três ou quatro horas. O amigo do ministro, no entanto, confirmou à reportagem que eles ficaram sete horas com os criminosos.

Leme disse, ainda, que Mantega foi procurado pela polícia, por telefone, e que disse estar "tranqüilo". Sua casa em São Paulo recebeu reforço policial.

Nos próximos dias, o ministro, que havia ido ao sítio apenas para jantar, terá de ser interrogado pela polícia. Procurado pela Folha, Mantega disse que não falaria sobre o caso.

"Dependendo da autoridade, ela pode escolher dia e local. Isso é muito normal. Nós estamos fazendo contato para ver como ele pode nos atender nessa situação", disse Leme.

A Polícia Federal informou ontem, em Brasília, que todos os ministros de Estado têm direito à segurança, desde que solicitem. No caso de Mantega, não houve nenhum pedido.

Tranqüilidade possível

Na tarde de ontem, a reportagem solicitou oficialmente à Secretaria da Segurança Pública acesso aos documentos de registro do roubo.

Segundo a assessoria de imprensa do órgão, o pedido iria ser analisado por Leme que, por sua vez, afirmou que a liberação de consulta ao documento público seria de responsabilidade da assessoria. A Folha não pôde ver o B.O..

Mantega telefonou, por volta de meio-dia da Quarta-feira de Cinzas, para o secretário da Segurança Pública de São Paulo, Ronaldo Marzagão. Segundo o secretário, Mantega aparentava "tranqüilidade dentro das circunstâncias". "Ele foi objetivo [ao descrever o assalto]".

Colaboraram CATIA SEABRA e ANDRÉA MICHAEL da Folha de S.Paulo, em São Paulo e Brasília

Leia mais
  • Ministro é mais uma vítima de série de assaltos em chácaras
  • Dois casais são mortos em chacina na zona leste de São Paulo
  • Leia capítulo de Folha Explica a Violência Urbana

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre roubos
  • Leia o que já foi publicado sobre o ministro Guido Mantega
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página