Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
22/01/2001 - 19h42

Prefeito de Curionópolis (PA) decreta estado de emergência

Publicidade

LUÍS INDRIUNAS
da Agência Folha, em Belém

O prefeito eleito de Curionópolis (PA), Sebastião Curió (PMDB), demitiu todos os funcionários da prefeitura e decretou estado de emergência no município.

Cerca de 800 pessoas foram demitidas e outras 280 pessoas, contratadas em caráter temporário.

"Para que as emergências fossem atendidas contratamos pessoas apenas para saúde e administração", disse o advogado da prefeitura, Irineu Fernandes.

Segundo o advogado, Curió encontrou a prefeitura em "estado caótico". Os telefones foram cortados por falta de pagamento e os salários dos funcionários estão atrasados desde outubro.

"Esta semana, o prefeito está correndo atrás de apoio para tentar arrumar a casa", disse Fernandes.

Os demitidos ainda não receberam seus direitos porque, segundo Fernandes, a administração está fazendo um levantamento da situação financeira deixada pelo ex-prefeito Osmar Ribeiro (sem partido).

Além das demissões, o prefeito de Curionópolis, que já foi agente do SNI (Serviço Nacional de Informações) e do CSN (Conselho de Segurança Nacional), impôs novos hábitos na prefeitura.

Todos os dias, às 8h, o prefeito hasteia as bandeiras do Brasil e do Pará e canta o Hino Nacional.

Depois que "arrumar a casa", o ex-militar pretende abrir licitação para alto-falantes para reproduzir a música.

A Agência Folha tentou entrar em contato com o ex-prefeito Ribeiro, mas não conseguiu.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página