Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
16/02/2001 - 21h54

Avenida onde garoto sumiu tem dezenas de buracos sem tampa

Publicidade

LARISSA FÉRIA
do Agora São Paulo

Dois dias depois do sumiço de Guilherme Eloi Marques, de 1 ano e 9 meses, na galeria do córrego Cabuçu, zona norte da capital paulista, pelo menos dez buracos estavam sem tampa no canteiro central da avenida Inajar de Souza.

Segundo moradores, o buraco em que o garoto caiu foi aberto há cinco meses durante a realização de obras da prefeitura e só foi tampado na tarde de ontem.

"Eles esperam acontecer um acidente desses para depois tomarem providências", protestou o mecânico Luis carlos Araújo, 42 anos.

A reportagem do Agora percorreu 500 metros do canteiro central e encontrou dez buracos em condições até mais perigosas do que aquele onde o menino caiu.

A avenida fica na Freguesia do Ó (zona norte) e tem sete quilômetros de extensão.

Um deles estava totalmente aberto e tem cerca de 1 metro de diâmetro.
"Ano passado eu quase caí em um desses", diz a aposentada Rosa Rodrigues, 48 anos.

"Eles deviam ter chumbado as tampas dos poços para ninguém roubá-las", reclama a dona-de-casa Luiza de Lurdes Gaspar. O garoto ainda não foi encontrado pelo Corpo de Bombeiros.

Guilherme está desaparecido desde a noite da última quarta-feira. Ele caiu em uma fenda lateral de um poço de acesso às galerias pluviais.
O menino estava indo da casa da avó para a casa da tia quando escorregou e caiu. Ele estava acompanhado da mãe Gilva Eloi, 28 anos, da tia Devanir Araújo, 30 anos, e da prima Michele, 10.

Logo depois do acidente, choveu forte na região. As águas nas galerias atingiram dois metros de altura e a correnteza ficou muito forte. As galerias desembocam no rio Tietê.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página