Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
12/06/2000 - 21h33

PM vai apurar atuação da polícia em desfecho de sequestro

Publicidade

GIULIANA ROVAI, repórter da Folha Online

O coronel Luiz Soares de Oliveira, comandante do 23º Batalhão da Polícia Militar do Rio de Janeiro, afirmou que irá apurar a ação que culminou no desfecho de um sequestro de mais de quatro horas a um ônibus na zona sul da cidade. Uma refém e o ladrão foram mortos. Uma outra garota ficou ferida.

Oliveira afirmou não saber se foi o assaltante ou a polícia que deu o primeiro tiro no momento em que o sequestrador deixava o ônibus. Naquele momento, o assaltante usava a estudante Geisa Firmo Gonçalves, 20, como escudo.

Imagens de TV mostram o ladrão descendo do ônibus com Geisa à frente. Ele discute com PMs. Em seguida, um policial se aproxima e atira no assaltante, que cai agarrado à garota.

A estudante acabou morrendo no hospital Miguel Couto (zona sul). Ela foi baleada no pescoço, tórax e abdomém. Ainda não se sabe quem atirou nela.

A polícia ainda não sabe o nome do assaltante que sequestrou o ônibus, por volta das 14h30 desta segunda-feira. Ele morreu no hospital Souza Aguiar.

Oliveira disse que o tempo levado pela polícia para libertar os reféns foi necessário. "A polícia tinha certeza de que era necessário esperar para intervir, porque estava claro que o assaltante estava sob o efeito de drogas."

Oliveira negociou com o assaltante por cerca de meia hora, no início da tarde. Depois, as negociações ficaram sob a responsabilidade de de uma tropa de elite da PM do Rio).

Os depoimentos dos reféns estão sendo tomados no 15º DP, na Gávea, pela delegada Marta Rocha.

Leia mais notícias de cotidiano na Folha Online

Discuta esta notícia nos Grupos de Discussão da Folha Online

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página