Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
12/06/2000 - 23h00

Comandante da PM de São Paulo diz que atuação da polícia foi "legîtima e necessária"

Publicidade

da Folha de S.Paulo

O comandante-geral da Polícia Militar de São Paulo, coronel Rui César Melo, acompanhou algumas partes do que a televisão transmitiu do sequestro no Rio de Janeiro. "Pelo que pude ver das imagens, achei a atuação da polícia legítima e necessária, principalmente porque o sequestrador que saiu do ônibus estava com a arma engatilhada, o que é perigosíssimo", afirmou o coronel.

Quando soube pela reportagem da Folha que a refém havia morrido, Melo disse que isso "era muito ruim, porque a orientação é sempre preservar a vida do refém." O coronel afirmou, porém, que a PM talvez tivesse de correr o risco naquele momento, porque, como o revólver estava engatilhado, um descuido do sequestrador ou até um movimento brusco da refém poderia provocar um disparo acidental. "É muito difícil julgar sem estar no local", afirmou.

Para o advogado Antonio Cláudio Mariz de Oliveira, ex-secretário da Segurança Pública do EStado de São Paulo e ex-presidente da OAB-SP, "lamentavelmente, a polícia agiu mais uma vez de forma despreparada."

Segundo ele, o fato de o refém estar sob mira do sequestrador e de ambos estarem já fora do ônibus requisitava uma negociação, e não a ação da polícia. Oliveira classificou a atitude do policial que partiu para cima do sequestrador como precipitada. Na opinião do advogado, faltaram um comando forte, experiente e eficiente e preparo técnico e psicológico.

"Esse é um problema de toda a Polícia Militar brasileira, não exclusivamente da do Rio de Janeiro", afirmou.

Leia mais sobre o ônibus sequestrado no Rio na Folha Online

Leia mais notícias de cotidiano na Folha Online

Discuta esta notícia nos Grupos de Discussão da Folha Online
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página