Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
12/06/2000 - 23h11

Garotinho promete esclarecer dúvida sobre morte de estudante amanhã

Publicidade

SERGIO TORRES da Sucursal do Rio

O governador do Rio, Anthony Garotinho, e o comandante do Bope (Batalhão de Operações Especiais da PM), coronel José Penteado, reconheceram nesta segunda à noite que não tinham como precisar de onde partiram os três tiros que mataram a refém Geísa Firmo Gonçalves _se dos policiais ou do próprio sequestrador.

"Não tenho como lhe afirmar isso", disse Garotinho. "Não saberia responder", disse o coronel. O governador prometeu que o resultado da perícia para esclarecer essa dúvida sai amanhã de manhã.

O presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia Civil, Pedro Paulo Pontes de Pinho, disse à Folha não acreditar que os três tiros que vitimaram Geísa Firmo Gonçalves tenham partido do revólver do criminoso, uma pistola calibre 38 com tambor de seis balas.

Para o delegado, é possível, "em tese", que o homem tenha atirado três vezes contra a jovem que usava como escudo, mas a experiência policial mostra que essa possibilidade é pequena.

Mesmo baleado, o criminoso poderia ter disparado uma vez, mas não mais duas vezes, segundo Pontes de Pinho.

"Muitos PMs se aproximaram dele, para abafá-lo. Provavelmente, um dos policiais foi direto na arma do bandido, até para que ele não disparasse contra os PMs. Um dos tiros pode ter partido do bandido. Os outros dois, não", afirmou o delegado.

Para o presidente do sindicato, houve "uma operação completamente equivocada" por parte da polícia.

"Deveria haver apenas um atirador de elite, que entraria em ação após o sinal verde do comandante da operação. Depois do sinal verde, o atirador escolheria o momento certo de agir", disse o delegado.

Antes de sair do ônibus, o sequestrador usou três balas de seu revólver: uma contra o vidro, outra contra o chão (na simulação do assassinato de uma refém) e outra contra um carro de reportagem.

Além de não poder precisar quem atirou na refém morta, o governador também não sabia, ontem à noite, a identidade do criminoso morto e se ele tinha antecedentes criminais. Não sabia também quantos tiros o sequestrador levou.

O marido de Geísa, Alexandre Magno, também é migrante cearense. Em depoimento à 15ª Delegacia de Polícia (Gávea), ele disse que assistiu ao sequestro pela TV e depois foi para o local. Alexandre, que é cavalariço do Jockey Clube, saiu da DP sem falar com a imprensa.

Leia mais sobre o ônibus sequestrado no Rio na Folha Online

Leia mais notícias de cotidiano na Folha Online

Discuta esta notícia nos Grupos de Discussão da Folha Online

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página