Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
13/06/2000 - 09h09

Gate de São Paulo é proibido de comentar ação da PM do Rio

Publicidade

Gate de São Paulo é proibido de comentar ação da PM do Rio

LEONARDO FUHRMANN, repórter da Folha Online

O coronel Osvaldo de Barros Júnior, comandante do CPChoque (Comando de Policiamento de Choque), informou que proibiu seus subordinados a comentar a ação da Polícia Militar do Rio de Janeiro na segunda-feira (12).

O assaltante e uma refém foram mortos nesta ação da polícia carioca. Os reféns ficaram por quatro horas em poder do criminoso dentro de um ônibus. A vítima tomou três tiros quando servia de escudo do assaltante que saía do ônibus.

O Gate (Grupo de Ações Táticas Especiais) é o batalhão especial da Polícia Militar paulista para crimes com reféns e desativação de bombas, por exemplo. O grupo é subordinado ao comandante Barros.

"Não podemos comentar o trabalho de uma outra polícia, isto é antiético. Quem tem que explicar o que aconteceu lá é a polícia carioca", disse o coronel.

Ele afirmou que é muito difícil analisar um caso a distância, sem que se saiba qual o plano usado pelos policiais e as condições do assaltante e dos reféns.

Barros negou que a reunião desta manhã no Comando Geral de Polícia Militar de São Paulo seja para discutir como a polícia paulista está preparada para um caso semelhante. "A reunião já estava marcada antes de tudo isso acontecer", garantiu.

Leia mais notícias de cotidiano na Folha Online

Discuta esta notícia nos Grupos de Discussão da Folha Online
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página