Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
13/06/2000 - 22h48

Comandante da Guarda Municipal diz que ação de soldado em sequestro foi "imprudente"

Publicidade

da Sucursal do Rio

O atual comandante da Guarda Municipal do Rio, Paulo Cesar Amendola, um dos criadores do Bope (Batalhão de Operações Especiais) _a tropa de elite da Polícia Militar fluminense_, tachou de "isolada, despropositada e imprudente" a atitude do soldado que abordou Sandro do Nascimento, na segunda-feira (12).

O Bope foi fundado em 1978 e era "uma tropa de elite formada para resgatar reféns vivos", explica Amendola.

Já a negociação mantida pelo atual comandante do Bope, coronel José Penteado, foi considerada bem-sucedida. "O coronel empregou técnicas de persuasão e conseguiu convencer o bandido a deixar o ônibus."

Amendola disse ainda que a arma usada era inadequada no momento em que o sequestrador saiu do ônibus e que o tiro foi desferido na posição que mais complica o seu controle.

Ele ressaltou que, se a situação oferecesse perigo de morte, os demais integrantes da operação deveriam estar preparados para uma rápida intervenção armada. Mas, segundo o comandante da Guarda Municipal, "estava mais do que claro que o bandido ia se entregar."

Clique aqui para ler toda a cobertura do caso na página especial Pânico no Rio

Leia mais notícias de cotidiano na Folha Online

Discuta esta notícia nos Grupos de Discussão da Folha Online
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página