Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
13/06/2000 - 23h45

Família de refém morta em sequestro de ônibus no RJ quer indenização

Publicidade

KAMILA FERNANDES, da Agência Folha, em Fortaleza

A família de Geísa Firmo Gonçalves, 20, não quer vingança. Os parentes querem que o governo do Estado do Rio de Janeiro se responsabilize pela morte dela e pague uma indenização.

Para isso, prometem entrar na Justiça. Geísa foi morta na segunda-feira (12) durante o sequestro de um ônibus na capital fluminense."Dinheiro nenhum vai trazer a Geísa de volta, mas temos de tomar todas as providências para que os governantes saibam que ela não era sozinha no mundo, que não era um bicho que podem matar e jogar no lixo", disse Marta Firmo, prima de Geísa.

Fazia cerca de um ano que a moça havia deixado Fortaleza (CE), cidade onde nasceu. O fato de não ter mais a mãe _Josefa Firmo, morta há dois anos_ a motivou a ir para o Rio de Janeiro morar com o namorado.

Geísa deixou a escola e viajou. Conseguiu um emprego de professora em uma escolinha de artes na favela da Rocinha, onde ensinava artesanato a crianças. "Ela não pensou duas vezes. Largou tudo", disse a prima. "Antes de pegar o avião, ela foi ao shopping e mandou fazer uma camiseta com o nome dele."

Na capital cearense, Geísa vivia com a irmã, Elisangela Gonçalves, no bairro João 23, periferia da cidade. Os parentes não sabem onde vive o pai das moças, Edilson Gonçalves, com quem a professora nunca manteve um relacionamento próximo.

Além da irmã, as únicas pessoas da família com quem convivia no Ceará eram tios e primos. Ela será enterrada hoje no mesmo jazigo onde está a mãe, em Fortaleza.

Críticas

Para o coronel da PM Ivan Macedo, presidente do Clube dos Oficiais da Polícia Militar do Ceará e tio de Geísa, a polícia carioca errou ao tentar libertar sua sobrinha com violência. "Aconteceu um erro grave. O policial, que tinha uma metralhadora na mão, não conseguiu conter a emoção e quis, com a arma, resolver tudo, ser o herói. Quando ele atirou no bandido, houve uma reação natural, e o sequestrador atirou em Geísa até como uma forma de se defender", disse.

Marta Firmo e Francisca Firmo Paz, 68, tia de Geísa, estavam assistindo TV quando viram as imagens do sequestro.

O coronel Macedo não acompanhou pela televisão o desfecho do drama. "O erro (da polícia) foi ainda maior porque não adiantava cometer outro crime, desta vez contra o bandido, porque isso não ia trazer a Geísa de volta ou amenizar o mal feito a ela. Todos têm alguma coisa a perder, que é a vida. E isso a minha sobrinha já havia perdido," disse.

Clique aqui para ler toda a cobertura do caso na página especial Pânico no Rio

Leia mais notícias de cotidiano na Folha Online

Discuta esta notícia nos Grupos de Discussão da Folha Online
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página