Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
15/06/2000 - 04h29

Paulistano quer ação social contra violência

Publicidade

da Folha de S.Paulo

O paulistano considera que para combater o aumento da criminalidade no país a política do governo deve ser investir mais na resolução de problemas sociais do que gastar dinheiro do contribuinte para aumentar o efetivo das polícias e para equipá-las.

Segundo pesquisa Datafolha, dois terços dos 640 entrevistados em São Paulo acham que a prioridade da administração pública deve ser o combate ao desemprego e melhorias na educação.

Essa opinião é mais acentuada nos segmentos com mais escolaridade e com maior renda familiar.

O levantamento foi realizado ontem, 48 horas após o país ter assistido às cenas dramáticas do sequestro de um ônibus no Rio, que durou mais de quatro horas e terminou com a morte de uma refém e do sequestrador, após ação desastrada da polícia, na opinião de diversos especialistas.

Sobre esse acontecimento, diga-se de passagem, 54% dos paulistanos acham que os policiais fluminenses agiram mal ao matar o criminoso, segundo laudo do IML do Rio, após tê-lo rendido e colocado no camburão.

Para a maioria dos entrevistados (56%), o governo Fernando Henrique Cardoso não está empenhado na busca de soluções para reduzir as taxas de violência, apesar de vir anunciando o desejo de colocar em prática um plano de segurança nacional.

A avaliação desfavorável ao governo tucano é maior entre os mais escolarizados e entre os que têm maior poder de compra.

Pouco mais de um terço dos entrevistados identificam nas ações e no discurso de FHC e de sua equipe um pouco de empenho ou muito empenho para resolver o problema da criminalidade.

Aliás, o presidente da República divide com o governador do Estado a responsabilidade pela segurança, de acordo com os moradores de São Paulo.

A pesquisa traz um resultado que pode ter implicação no mote das campanhas eleitorais para prefeito. Apenas 15% consideram que o administrador municipal deve controlar ações relacionadas com o policiamento da cidade.

A tese da convocação do Exército para combater criminosos _defendida com insistência pelo presidente do Congresso, senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA)_ tem o apoio de dois terços dos paulistanos, em especial entre os que concluíram apenas o 1º grau e entre os que ganham até dez salários mínimos.

Leia mais notícias de cotidiano na Folha Online

Discuta esta notícia nos Grupos de Discussão da Folha Online
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página