Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
15/06/2000 - 23h19

PM admite ter dado "gravata", mas nega que golpe matou sequestrador

Publicidade

da Folha de S.Paulo, no Rio

O capitão da PM do Rio Ricardo Soares, que chefiou o grupo de quatro policiais que transportou e é acusado de matar o sequestrador Sandro do Nascimento, prestou depoimento na 15ª DP (Gávea, zona sul da cidade) e reafirmou que os policiais agiram em legítima defesa e sob violenta emoção.

A advogada Daniele Braga disse que o capitão admitiu que aplicou uma "gravata" em Nascimento para tentar imobilizá-lo. No entanto, ela não admitiu, em nenhum momento, que esse golpe matou o sequestrador.

"A delegada Martha Rocha ouviu o depoimento dele, que foi voluntário", disse a advogada. Ela acrescentou que esse depoimento foi feito sem a presença de advogados.

Os cinco estão presos, acusados de assassinar, por asfixia, Nascimento ao final do sequestro ao ônibus no Jardim Botânico que terminou também com a morte da professora Geísa Firmo Gonçalves.

Antes de Soares, depôs o soldado Paulo Roberto Alves Monteiro. "Estamos com a consciência tranquila. O que posso dizer é que estou muito triste com a morte da refém", afirmou o soldado ao sair de seu depoimento.

Os PMs, segundo seus advogados (Chaia Ramos e Daniele Braga), agiram "no estrito cumprimento do dever e em legítima defesa" e procuraram defender "a própria vida e também a da sociedade".

Os cinco policiais _o capitão Ricardo de Souza Soares e os soldados Luiz Antônio de Lima Silva, Márcio de Araújo David, Paulo Roberto Monteiro e Flávio do Val Dias_ chegaram ao 15ª DP, na Gávea, que investiga o caso, em um carro do Bope (Batalhão de Operações Especiais) e usavam a farda preta e o boné do batalhão. Não estavam algemados e não deram declarações.

Os advogados disseram que o sequestrador resistiu à prisão e que seus clientes tiveram dificuldades para imobilizá-lo porque não tinham algemas. Eles criticaram a "precariedade das condições de trabalho" da polícia.

O policial Paulo Roberto de Alves Monteiro chegou para depor com o braço esquerdo imobilizado. Seus advogados apresentaram duas versões para a causa da suposta fratura do braço.

Daniele Braga inicialmente disse que Monteiro teve o braço esquerdo quebrado quando o sequestrador, identificado pela polícia como Sandro do Nascimento, tentou pegar a arma do soldado Flávio do Val Dias.

A tentativa teria ocorrido dentro do carro do Bope em que os cinco policiais levaram o sequestrador para o hospital Souza Aguiar, onde ele chegou morto.

Depois, Chaia Ramos afirmou que Monteiro quebrou o braço ainda do lado de fora do camburão, quando os policiais tentavam dominar Nascimento.

Os advogados disseram como os policiais dividiram-se dentro do carro do Bope, até chegarem ao Souza Aguiar, no centro do Rio.

Segundo eles, mesmo com o braço machucado, Paulo Monteiro dirigiu, tendo ao lado o soldado Luiz Antônio de Lima Silva. Na parte traseira, com o sequestrador, foram o capitão Ricardo de Souza Soares e os soldados Márcio David e Flávio do Val.

Os advogados chegaram à 15ª DP às 9h. Às 10h chegou o carro do Bope, uma Besta, com os cinco policiais. A delegada Martha Rocha, titular da DP, explicou por que o capitão Ricardo Soares prestaria novo depoimento: "Vou reinquiri-lo porque o depoimento dele não fui eu quem presidiu".

O soldado Paulo Roberto Monteiro foi o primeiro a depor. Às 13h35 ele saiu da delegacia, na viatura do Bope. Foi imediatamente levado para o Instituto Médico Legal (IML), para fazer o exame de corpo de delito do braço.

Poucos instantes depois o carro do Bope voltou, trazendo o almoço dos outros policiais.

Um pouco depois, às 17h20, o capitão Ricardo Soares terminou o depoimento de três horas e saiu da delegacia, sem falar com os repórteres.

A delegada Martha Rocha informou que o depoimento dos médicos que estavam de plantão no Souza Aguiar foi transferido de ontem para segunda.

Um deles é o médico Atalah de Matos, que assinou o atestado de óbito de Sandro do Nascimento. No documento constava que um homem negro, com idade presumível de 25 anos, chegou morto ao Souza Aguiar às 19h15. A Folha apurou que o comandante do Batalhão de Operações Especiais (Bope), tenente-coronel José Penteado, vai depor hoje na 15ª DP.

O secretário da Segurança Pública do Rio, Josias Quintal, se reuniu ontem com comandantes de diversos batalhões e com o novo comandante geral da PM para avaliação e anunciou novas estratégias de combate ao crime .

"Vamos iniciar novas operações, que começam a qualquer momento, e cuja duração será por tempo indeterminado", anunciou o secretário da Segurança.

Segundo Quintal, as operações acontecerão nas favelas, nas ruas e vias expressas da cidade. "Esses erros técnicos foram fatos lamentáveis, mas tiraremos experiência de tudo isso e não vamos ficar inibidos", afirmou, referindo-se ao desfecho do sequestro.

O novo comandante geral da PM, coronel Wilton Soares Ribeiro, que tomará posse na próxima segunda-feira, reconheceu que assume num momento difícil e disse que terá pela frente "uma nova geração de assassinos". "São criminosos que não se satisfazem com o produto do roubo e também matam. Espero que os criminalistas estejam estudando isso."

O comando da PM informou ontem que as algemas não são necessárias para os serviços realizados pelos policiais do Bope, considerada a tropa de elite da PM.
Os policiais envolvidos com ações de patrulhamento trabalham com algemas. Os do Bope, não. É a única unidade da PM que dispensa o equipamento.

Depois do caso do ônibus 174, qual seria a melhor solução para evitar cenas como aquelas? Vote

Clique aqui para ler toda a cobertura do caso na página especial Pânico no Rio

Leia mais notícias de cotidiano na Folha Online

Discuta esta notícia nos Grupos de Discussão da Folha Online

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página