Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
16/06/2000 - 16h38

Sindicato abre sindicância para apurar óbito de sequestrador

Publicidade

da Folha de S.Paulo, no Rio

O sindicato dos médicos do Rio de Janeiro abriu uma sindicância para apurar o que aconteceu no hospital Souza Aguiar na noite de segunda-feira, quando o sequestrador Sandro do Nascimento foi levado, já morto, para o estabelecimento.

Nascimento, que sequestro um ônibus no Jardim Botânico, no Rio, foi morto por asfixia a caminho do hospital. Funcionários do local afirmaram que os cinco PMs acusados de matar o sequestrador tentaram obter um atestado de óbito falso, para forjar a morte como se Nascimento tivesse sido baleado.

Na 15ª DP (Gávea, zona sul), os médicos, que vão depor na segunda-feira, foram identificados como Edson Luís de Matos (que examinou o corpo) e João Pedro Celidônio Silveira (chefe do plantão).

O tenente-coronel José Penteado, comandante do Bope (Batalhão de Operações Especiais), depôs das 10h40 às 14h25. Estava sozinho (sem advogado) e não falou com os jornalistas. Chegou calmo, mas saiu nervoso.

O depoimento do soldado Marcelo Oliveira dos Santos, que atirou no sequestrador mas acabou atingindo a refém Geísa Firmo Gonçalves (que acabou morrendo no desfecho do caso), foi cancelado pelo fato de ele estar em licença médica.

Depois do caso do ônibus 174, qual seria a melhor solução para evitar cenas como aquelas? Vote

Clique aqui para ler toda a cobertura do caso na página especial Pânico no Rio

Leia mais notícias de cotidiano na Folha Online

Discuta esta notícia nos Grupos de Discussão da Folha Online
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página