Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
11/03/2008 - 08h56

Contra o aborto, igreja usa réplica de feto durante missa

Publicidade

da Folha Online

Em nova ofensiva contra o aborto, a Igreja Católica do Rio passou a usar fetos de resina e vídeos durante missas e palestras, informa reportagem de Malu Toledo e Johanna Nublat publicada na edição desta terça-feira da Folha de S.Paulo (íntegra disponível para assinantes do jornal e do UOL).

"Em paróquias do Rio, como a Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, zona sul, uma almofada com a escultura de um feto é levada até o altar nas missas dominicais e é mostrada entre os freqüentadores. Na igreja Santa Margarida, na Lagoa, o "feto' está dentro de um vidro com gel, como se tivesse na placenta, exposto no altar", afirma a reportagem.

No total, foram confeccionados 600 bonecos em forma de feto para serem distribuídos nas 264 paróquias da cidade e usados nas missas de domingo durante a Quaresma. O combate ao aborto é tema da campanha da fraternidade deste ano da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil). O lema é "Escolhe, pois, a vida".

Mais polêmica é a exibição de quatro vídeos com cenas reais de fetos sendo retirados de mulheres. Neles, médicos descrevem como é feito o procedimento.

Em Ipanema, uma trilha sonora dramática acompanha uma das imagens mais chocantes: um feto sendo arrancado pela cabeça.

Comentários dos leitores
Daniel Borges (1) 01/05/2008 22h46
Daniel Borges (1) 01/05/2008 22h46
FEIRA DE SANTANA / BA
Não tenho duvida q cada ser humano tem a liberdade de fazer o q bem quiser do ser corpo, aqui eu esqueco do papo de ser catolico, mas essa liberdade termina no momento q vc vai contra outra vida, principalmente quando essa vida esta indefesa e principalmente quando há inumeras maneiras de se prevenir uma gravidez indesejada, portanto para todos os que estao compactuando com as assassinas de seres humanos indefesos revejam seus conceitos sobre o q é liberdade humana e etc. 4 opiniões
avalie fechar
O ABORTO É MATERIA DE SAUDE PÚBLICA E TEMA POR DEMAIS IMPORTANTE PARA SER MONOPOLIZADO POR QUALQUER RELIGIÃO. A MULHER DE CLASSE MÉDIA PROCURA CLINICA E MÉDICO PREPARADO, PAGA E NÃO CORRE RISCO DE VIDA, AS MULHERES POBRES AO CONTRÁRIO CORREM RISCO DE VIDA, A HIPOCRISIA DA RELIGIAO ACABA COLOCANDO EM RISCO DUAS VIDAS AO INVES DE UMA, A DO FETO. ANTHERO 7 opiniões
avalie fechar
Raul Almeida (20) 12/03/2008 18h37
Raul Almeida (20) 12/03/2008 18h37
Sem noção
Parece até musica do Latino. O bispo-médico que comanda o show de barbaridades relativas ao assunto, está orgulhoso dos filmes divulgados na Net, onde mostra o processo de curetagem uterina. "como se despedaça uma vida humana". Em 1312 o Concilio de Viena aceitou a proposição de Thomaz de Aquino onde a alma só adentrava ao feto depois de 40 dias de gestação. Pio IX, sem ter o que fazer e num momento de rara obscuridade declarou que o aborto é pecado em qualquer tempo. Que besteirada. Uma gravidez indesejada pela mulher, por qualquer motivo que seja é o que deve determinar o aborto. Voltando a esta sordida e sinistra pantomima dos fetos de resina, há que lembrar-se que casos de aborto legal, "despedaçam vidas"tal como o aquilino prelado verbera em sua pregação. Logo teremos a volta do cinto de castidade, do silício, da mascara de ferro, e outros mimos que garantirão a pureza e a resistencia à tentaçao e a mentira.
Religiào é um produto de consumo. Um produto impalpavel mas fortissimo. Os catolicos romanos tem muito a aprender com os "néo-pentecostais"neste quesito. Vender a redenção, o sucesso pessoal, amoroso, empresarial, artistico, etc., através da fé e de uma contribuição mensal. A patuleia está a fim de pagar para ir para o céu, só nao quer é deixar de dar as suas bicadinhas e quando nao dá certo, consertar da melhor forma.
Ta faltando criatividade no mkt da igreja catolica já faz muito tempo.
D'us não é nada disso...
13 opiniões
avalie fechar
Comente esta reportagem Veja todos os comentários (8)
Termos e condições
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página