Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
14/07/2000 - 13h50

Sequestrador do ônibus é enterrado como indigente no Rio

Publicidade

WAGNER MATHEUS, da Folha de S.Paulo, da Sucursal do Rio

O sequestrador do ônibus da linha 174, identificado pela polícia como Sandro do Nascimento, foi enterrado nesta sexta-feira (14) como indigente numa cova rasa do cemitério do Caju, centro do Rio de Janeiro.

O corpo estava guardado numa das geladeiras do IML (Instituto Médico Legal) há 32 dias. No atestado de óbito, o ex-menino de rua e sobrevivente da chacina da Candelária (1983), que levou o terror a dez reféns no dia 12 de junho, foi identificado apenas como "um homem", morto por "asfixia mecânica por constrição do pescoço".

O sepultamento foi realizado debaixo de uma chuva fina, acompanhado apenas por duas pessoas: Elza da Silva, a mulher que afirma ser mãe do sequestrador, apesar do resultado negativo do teste de DNA, e Ivanildo de Jesus Severo, presidente da Associação de Moradores da favela Nova Holanda, onde ela mora.

Elza disse que ainda não se convenceu do resultado do exame, mas descartou a hipótese de se submeter a um novo teste. "Para mim ele é meu filho, nada mudou", disse a faxineira, que levou uma dúzia de cravos brancos para colocar sobre o caixão.

O enterro foi providenciado pela advogada do Centro Brasileiro da Criança e do Adolescente, Cristina Leonardo, e pago pela Santa Casa de Misericórdia. Cristina preferiu não participar do sepultamento, mas, antes de liberar o corpo no IML, passou na igreja dos Capuchinhos, na Tijuca, para benzer um terço que colocou dentro do caixão de Sandro.

A liberação do corpo do sequestrador, que matou com três tiros a refém Geisa Firmo Gonçalves, vinha sendo adiada devido às dúvidas sobre sua verdadeira identidade e a uma série de entraves burocráticos.

Em tese, Sandro poderia ter sido enterrado por qualquer pessoa que reclamasse o corpo, caso nenhum parente aparecesse para fazê-lo no prazo de 72 horas depois de sua morte. Se não houvesse ninguém, o Estado o enterraria como indigente.

A única pessoa a reclamar o corpo foi a faxineira Elza, que o identificava como Alex Júnior da Silva. Para tirar a dúvida, a delegada que investiga o caso, Martha Rocha, exigiu o exame de DNA, que deu negativo.

Sandro foi morto por asfixia a caminho do hospital, após o final do sequestro, na zona sul do Rio. Estavam no camburão o capitão Ricardo de Souza Soares e os soldados Luiz Antônio de Lima Silva, Márcio de Araújo David, Paulo Roberto Monteiro e Flávio Val Dias.

Depois do caso do ônibus 174, qual seria a melhor solução para evitar cenas como aquelas? Vote

Clique aqui para ler toda a cobertura do caso na página especial Pânico no Rio

Leia mais notícias de cotidiano na Folha Online

Discuta esta notícia nos Grupos de Discussão da Folha Online
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página