Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
02/07/2002 - 19h00

Motoboy responsabiliza Fromer e diz que acidente "foi inevitável"

Publicidade

LÍVIA MARRA
da Folha Online

O motoboy Erasmo Castro da Costa Jr., 31, que confessou nesta terça-feira ser o responsável pelo atropelamento que resultou na morte do guitarrista Marcelo Fromer, disse que só ficou sabendo que a vítima era o integrante do Titãs dois dias depois do acidente.

Segundo ele, o acidente "foi inevitável, não proposital". Fromer, 39, foi atropelado na noite de 11 de junho do ano passado, quando praticava cooper na avenida Europa, zona oeste de São Paulo. Ele morreu dois dias depois.

"Acho que o Fromer cometeu infração porque tinha uma faixa de pedestre a 15 metros de distância e ele atravessou no meio dos carros, e eu não sabia. Apareceu do nada na minha frente", afirmou.

O motoboy, que estava trabalhando no dia do atropelamento, disse que trafegava a 40 km/h quando atingiu o músico. Costa Jr. trafegava pela faixa contínua, que divide as duas pistas da avenida.

O motoboy disse que acionou o resgate pelo celular de uma testemunha. Costa Jr. fugiu após a chegada do Corpo de Bombeiros e foi localizado após investigações que contaram com denúncias.

"O meu erro não foi nenhum. Foi estar na hora errada, no momento errado", afirmou.

O motoboy disse que deixou o local antes da chegada da polícia porque estava com a carteira de habilitação vencida e tinha medo das "consequências".

"Eu resolvi sair do local porque minha carteira de habilitação estava vencida e não sabia quais seriam as consequências que eu poderia sofrer quando a polícia chegasse", afirmou.

O motoboy disse que contou apenas para sua mãe sobre o acidente que vitimou o guitarrista.

"Fiquei com medo de ir para a prisão e de sofrer represálias da família dele [Fromer], que é de alto poder aquisitivo. Eu sou pobre", completou.

A moto de Costa Jr., uma CG-125 vermelha, foi vendida há cerca de um ano. Conforme ele, a venda não teve relação com o acidente.

"Vendi a moto porque fiquei desempregado e precisava pagar prestações que estavam em débito", disse.

Para a polícia, o impacto do capacete do motorista contra a cabeça de Fromer provocou a morte do músico.

Esclarecimentos
Costa Jr. foi detido no Jabaquara, na zona sul de São Paulo. Um policial militar recebeu, há alguns dias, uma denúncia sobre o endereço do motoboy e avisou os policiais do 15º Distrito Policial (Itaim), que conduzem o inquérito.

A estratégia da polícia para deter o suspeito contou até com uma proposta de emprego a Costa Jr. Quando ele saiu de casa para ir até o endereço marcado -fictício-, foi abordado e levado para a delegacia.

Uma testemunha ajudou, há um ano, a elaboração de um retrato falado do motoboy. Ele foi reconhecido nesta terça-feira.

O motoboy será dispensado após prestar todas as informações à polícia. Não está prevista no Código Nacional de Trânsito a prisão do motorista que prestar socorro à vítima, em casos de acidentes.

"Ele chamou socorro e aguardou até o momento em que a pessoa foi colocada no carro de resgate", disse o delegado Alexandre Sayão, do 15º DP.

Costa Jr. foi indiciado por homicídio culposo (sem intenção) com o agravante de ter fugido do local. Ele não tem antecedentes criminais.

Marcelo Fromer tinha quatro filhos e estava no Titãs desde quando a banda começou, em 1982.

Leia mais:
  •  Motoboy diz à polícia que atropelou o guitarrista Marcelo

  •  Polícia prende suspeito de atropelar e matar Marcelo Fromer


  • Saiba tudo   sobre a morte de Marcelo Fromer
     

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página