Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
22/05/2010 - 20h03

Chamar alguém de cachorro não é ofensa, diz procuradora acusada de maus-tratos

Publicidade

da Reportagem Local

A procuradora aposentada Vera Lúcia de Sant'Anna Gomes, acusada de torturar uma menina de dois anos que estava sob sua guarda, no Rio, confirmou em entrevista à revista "Veja" que chamou a menina de "cachorra".

Procuradora acusada de agressão diz que gritou para educar
Justiça nega habeas corpus para procuradora
Procuradora dorme em cela especial de presídio no Rio
Justiça mantém prisão de procuradora no Rio
Procuradora chora ao ser presa e ouvir acusação

Divulgação
Procuradora aposentada Vera Lúcia Sant'Anna Gomes, acusada de agressão
Procuradora aposentada Vera Lúcia Sant'Anna Gomes, acusada de agressão

"De tudo aquilo de que estão me acusando, admito uma coisa: chamei a menina de cachorra mesmo. No dia em que isso aconteceu, tínhamos uma consulta médica. Ela estava se recusando a comer e ainda por cima sujava a roupa toda de leite. Aquilo foi me irritando profundamente e perdi a paciência. Mas discordo da maioria das pessoas que agora me condenam: para mim, chamar alguém de cachorro não é ofensa."

Na entrevista, Gomes afirma ainda que, como recebe uma boa aposentadoria, decidiu adotar uma criança para não deixar sua pensão para o Estado. E revela que sua intenção era adotar três crianças, para formar "a família que nunca teve".

Sobre as lesões encontradas pelo IML (Instituto Médico Legal) no corpo da criança, a procuradora disse que sabe o motivo apenas do ferimento na testa: foi provocado por caroços de uva no chão, nos quais a menina teria escorregado e ficado com "um machucadinho de nada".

Na cadeia, Gomes diz que dorme à base de antidepressivo, que teme ser agredida por outras presas. "A cadeia dói. Meu lugar não é aqui".

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página