Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
17/08/2000 - 19h07

Violência no Brasil pode sair do controle, diz general Alberto Cardoso

Publicidade

SÉRGIO TORRES
da Folha de S.Paulo, no Rio

A situação da violência no Brasil é tão grave que será muito difícil revertê-la ou mantê-la sob controle, afirmou nesta quinta-feira no Rio o general Alberto Cardoso, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República.

Para o general Cardoso, "estamos chegando próximo de um ponto de não-retorno". Ele se referia, em palestra para cerca de 200 metalúrgicos, ao atual quadro de violência no país.

Ele disse que "ou se ataca com vontade" problemas como o "das injustiças sociais" ou "se chega a um ponto em que é melhor desistir". A saída para controlar a violência, disse, é "uma cruzada nacional", na qual se engajariam a sociedade e os governos federal, estaduais e municipais.

"O consumismo é a doutrina que se procura seguir. Nem sempre pode ser atingida essa expectativa de consumo. Busca-se o caminho mais fácil, que é o do crime. Mata-se com a maior tranquilidade. Como se estivesse afastando o obstáculo em uma caminhada", afirmou Cardoso.

Segundo ele, o Plano Nacional de Segurança Pública, instituído pelo governo federal em junho, fracassará caso não haja a participação social na busca de soluções.

"O problema da segurança pública não pode ficar apenas confiado ao Estado ou aos governos. Não se pode imaginar que eles vão resolver isso sozinhos", disse.

Na palestra de abertura do Seminário Nacional dos Metalúrgicos, organizado pela central Força Sindical, ele defendeu que os segmentos sociais exerçam pressão sobre as administrações públicas.

"A forma de a sociedade participar do combate à violência é pressionando. A sociedade, pressionando, mostra uma urgência para a qual nós, autoridades, não estamos alertas", disse o general.

A "cruzada nacional" que vislumbrou como saída para a crise da violência no Brasil não será organizada pelo governo federal.

"Não seria eficaz (a organização pelo governo). É mais um trabalho de tomada de consciência por parte da sociedade. Todos temos responsabilidades nisso aí", disse.

Na opinião do general, os sindicatos, as igrejas de diferentes religiões, as escolas, as organizações não-governamentais e as famílias deveriam se engajar nesse movimento contra a violência.

"A família deve ser, ao mesmo tempo, instrumento e vetor dessa cruzada. As igrejas têm que se envolver em uma campanha de recuperação de valores espirituais", afirmou Cardoso, para quem "o povo tem que se conscientizar" da necessidade de lutar pela volta "e alguns valores perdidos".

Leia também:

Análise: No limite

Clique aqui para ler mais notícias sobre os presos mortos no presídio da Papuda na Folha Online

Clique aqui para ler mais notícias sobre o sequestro de Boeing da Vasp em Londrina na Folha Online

Clique aqui para ler mais notícias sobre o toque de recolher em São Bernardo do Campo Folha Online

Clique aqui para ler mais sobre a crise na Febem-SP na Folha Online

Clique aqui para ler sobre o sequestro do ônibus 174 no Rio

Depois do caso do ônibus 174, qual seria a melhor solução para evitar cenas como aquelas? Vote

Leia mais notícias de cotidiano na Folha Online

Discuta esta notícia nos Grupos de Discussão da Folha Online

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página