Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
06/03/2004 - 04h03

Guinle foi "Forrest Gump" do jazz

Publicidade

CASSIANO ELEK MACHADO
da Folha de S.Paulo

Além de ter sido um "Forrest Gump" (no bom sentido) do grande mulherio dos anos 50 e 60, Jorginho Guinle também foi testemunha ocular de boa parte dos marcos de sua outra paixão.

Depois das mulheres, vinha o jazz, e o playboy acompanhou cada passo desse gênero nos últimos 77 anos, desde que ouviu, "Jubilee Stomp", de Duke Ellington.

Guinle dividiu essas experiências com os leitores. Foi o primeiro a publicar no país um livro sobre jazz. "Jazz Panorama" (1953), relançado em 2002 pela José Olympio, tinha a seguinte apresentação de Vinicius de Moraes: "De Jorge Guinle posso dizer que ninguém no Brasil, e muito pouca gente no mundo, possui a sua cultura e o seu cabedal jazzístico".

Ele conheceu pessoalmente do "a", de Louis Armstrong, ao "z", de Zoot Sims, passando por Charlie Parker e Billie Holliday. E não parou por aí. Seguia seguindo o jazz. No ano passado, ainda podia ser visto saracoteando no Tim Festival.

Leia mais
  • Morre playboy das estrelas Jorge Guinle
  • Memória: O último de uma época
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página