Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
20/12/2005 - 18h21

Gasolina é mais vantajosa que álcool em ao menos 6 Estados e DF, diz pesquisa

Publicidade

da Folha Online

O aumento do preço do álcool já faz os donos de carro flex fuel (bicombustível) terem vantagem financeira ao optar por abastecer com gasolina em alguns Estados. A conclusão faz parte de estudo do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq-USP (campus Piracicaba), com base nos dados da última semana da ANP (Agência Nacional do Petróleo).

De acordo com o Cepea, por ser um combustível que rende menos, o álcool deve custar no máximo 60% a 70% do valor da gasolina para ser vantajoso ao motorista --o percentual varia de acordo com o modelo do carro.

No Rio Grande do Sul e Minas Gerais, entretanto, o preço médio do litro do álcool hidratado já alcança 70% do valor da gasolina e compensa a troca.

Em outros Estados como o Rio de Janeiro, Mato Grosso, Amazonas, Distrito Federal e Paraná, por exemplo, a relação de preços está muito próxima do limite e já pode ser considerada vantajosa para a gasolina.

Já para os consumidores paulistas, encher o tanque com álcool ainda continua mais rentável. Isto porque grande parte do álcool combustível comercializado é produzido no Estado, o que diminui custos com transporte.

De acordo com o Cepea, a relação com o valor da gasolina mantém-se praticamente estável desde dezembro de 2004 em 57,7%. Na última semana, segundo a ANP, a média do litro da gasolina era vendida por R$ 2,349 e o álcool hidratado, a R$ 1,357 no Estado.

Para os pesquisadores, a perda de competitividade do álcool em vários Estados pode ser um fator a inibir sua demanda. Por outro lado, a mudança das regras para o hidratado --adição de corante laranja a partir do próximo ano para que o álcool anidro não passe por hidratado-- e a entressafra --expectativa de estoques justos-- devem sustentar os preços.

Na média parcial da safra --entre maio e novembro--, pesquisadores de Cepea verificaram que o preço do álcool hidratado comercializado pelas usinas paulistas esteve 4,2% superior, em termos reais, frente ao mesmo período da safra passada. Já o aumento real no preço médio do álcool anidro, que é misturado em 25% à gasolina, foi de 2,09%, se comparado ao mesmo período da safra passada.

Adulteração

Além do preço, o consumidor que prefere o álcool também sofre com a adulteração do combustível. A ilegalidade representa mais de 20% do mercado de álcool no Brasil, segundo dados do Sindicom (Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes).

De acordo com as estimativas do Sindicom, existem 2,4 bilhões de litros de álcool hidratado e anidro no mercado clandestino.

As estimativas do Sindicom apontam que a sonegação de combustíveis pode chegar a R$ 2,6 bilhões por ano. Deste total, a adulteração de álcool e a de gasolina representam R$ 1 bilhão cada.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página