Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
16/05/2008 - 09h22

BB vai absorver Banco Popular, após R$ 144 milhões em prejuízos

Publicidade

NEY HAYASHI DA CRUZ
da Folha de S.Paulo

O Banco do Brasil anunciou ontem que irá absorver as operações do Banco Popular, subsidiária do BB criada em 2003 para atender clientes de baixa renda. Na prática, isso significa o fim da instituição financeira que representou uma das primeiras iniciativas do governo Lula para democratizar o acesso a serviços bancários, mas que deixa de existir sem nunca ter conseguido gerar lucros.

Toda a estrutura montada pelo Banco Popular será transferida para o BB e funcionará sob uma nova diretoria do banco, chamada de diretoria de Menor Renda. Os 81 funcionários do Banco Popular, todos eles cedidos pelo BB, voltam a seus empregos de origem.

Segundo o vice-presidente de Varejo e Distribuição do BB, Milton Luciano dos Santos, o objetivo é reunir numa mesma área do banco todas as operações com pessoas que têm renda mensal de até um salário mínimo, o que tornaria a atuação nesse segmento mais eficiente.

Além de absorver o Banco Popular, a nova diretoria irá gerenciar correspondentes bancários e programas de desenvolvimento regional do BB.

Desde que iniciou suas operações, o Banco Popular acumulou R$ 144 milhões em prejuízos. No ano passado, as perdas foram de R$ 16 milhões. 'Isso é o custo de aprendizado', diz Santos, referindo-se à importância que a experiência acumulada no período teve para o banco.

De lá para cá, afirma, a situação da economia mudou, e as pessoas que antes não tinham acesso a serviços bancários --público-alvo do Banco Popular-- começaram a procurar diretamente o BB, o que acabou tornando desnecessária a existência da subsidiária.

Argumento semelhante é usado por Robson Rocha, que é presidente do Banco Popular e passa a comandar também a nova diretoria do BB. 'Hoje nós conhecemos bem esse público. O conhecimento que o Banco Popular acumulou permite que o Banco do Brasil faça, hoje, essa mudança de estrutura.'

Críticas

O Banco Popular enfrentou dificuldades ao longo de seus pouco mais de quatro anos de operação, período em que teve três presidentes diferentes. O primeiro, Ivan Guimarães, foi alvo de críticas depois que veio a público seu relacionamento com o publicitário Marcos Valério e com o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, acusados no mensalão petista.

Seu sucessor, Geraldo Magela, assumiu o cargo em 2005. Após ser derrotado como candidato ao governo do Distrito Federal em 2002, o petista deixou o Banco Popular para concorrer a deputado federal em 2006 e acabou eleito.

Ao longo dessas gestões, o Banco Popular foi alvo de críticas devido ao seu elevado gasto com publicidade --em 2004, as despesas com propaganda somaram R$ 25 milhões, contra R$ 20 milhões de empréstimos concedidos--, além de sofrer com elevada inadimplência --o nível de atraso nos financiamentos chegou a mais de 30% e está hoje em 17%.

Em 2005, o banco também foi acusado de inflar suas estatísticas ao afirmar que já havia aberto 1 milhão de contas. Parte dessas contas se referia a cadastros que foram adquiridos de redes de varejo e incluídos numa base de clientes 'pré-aprovados'.

Em março, o Banco Popular tinha 1,4 milhão de clientes. O BB, por sua vez, tinha 8,3 milhões de correntistas com renda de até um salário mínimo, dentro de um universo total de 26 milhões de clientes.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página