Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
29/10/2002 - 16h31

Souza Cruz descarta novo reajuste no preço do Derby

SÉRGIO RIPARDO
da Folha Online

A Souza Cruz ainda não tem o impacto do reajuste do preço do Derby, sua principal marca de cigarro, nas vendas.

Segundo o diretor financeiro Nicandro Durante, o aumento entrou em vigor no final de setembro.

Ele estima um prazo de dois a três meses para ter uma avaliação do efeito do reajuste no volume comercializado.

"Levam-se de 10 a 15 dias para o cigarro com o preço novo chegar ao varejo, que trabalha com estoques antigos" afirma.

Ele descarta novos aumentos este ano.

Após cinco anos vendendo sua marca de maior volume - o Derby - ao preço de R$ 1,10, a Souza Cruz elevou o preço para R$ 1,25 no final de setembro, um aumento de 13,6%.

Segundo a companhia, o aumento foi o mínimo necessário para atenuar o aumento de custos devido à alta do dólar e enfrentar a concorrência desleal, que representa 35% do mercado total.

As pressões de custos devido à alta do dólar e à redução de preços da marca Carlton em junho último (de R$ 2,25 para R$ 2) levaram a uma queda de 9,2% no resultado operacional no terceiro trimestre, em relação ao segundo.

A companhia perdeu participação do mercado - de 79,7% no final do terceiro trimestre de 2001 para 78,1% no final de setembro último.

Leia também:

  • Souza Cruz prevê crescimento de exportação em 2003

  • Souza Cruz descarta novo reajuste no preço do Derby

  • Free Jazz Festival "morreu para sempre", diz Souza Cruz

  • Exportadora, Souza Cruz diz que dólar alto prejudica a médio prazo

  • Nova fábrica de cigarros da Souza Cruz será inaugurada em abril



  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página