Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
31/05/2003 - 17h05

Klabin vende Riocell para Aracruz por US$ 610,5 mi

SÉRGIO RIPARDO
da Folha Online

Com uma dívida de quase R$ 3 bilhões, a Klabin fechou a venda da sua unidade de celulose para a Aracruz por US$ 610,5 milhões (cerca de R$ 1,83 bilhão). O valor ficou acima do estimado pelo mercado.

O dinheiro deve ser usado pela maior fabricante de papel e celulose do país para reduzir o seu endividamento. A conclusão do negócio deve ocorrer em até 30 dias.

A disputa pelo ativo incluiu ainda o grupo Suzano, a VCP (Votorantim Celulose e Papel), a Ripasa e a Ence, maior fabricante de celulose da Espanha, segundo o mercado.

A fábrica de celulose, denominada Riocell, fica no município de Guaíba (RS) e possui capacidade anual de produzir 400 mil toneladas de celulose branqueada de eucalipto, de menor impacto ambiental -- a maioria é exportada para os continentes americano, asiático e europeu.

O preço a ser pago pela Aracruz ficou acima das projeções dos analistas. A corretora americana Merrill Lynch, por exemplo, esperava um valor entre US$ 550 milhões e US$ 600 milhões. A corretora Fator Doria Atherino avaliava a unidade em US$ 400 milhões.

A venda foi coordenada pelos bancos UBS e Unibanco, com orientação do escritório de advocacia Demarest e Almeida.

Tanto Klabin como Aracruz só comunicaram oficialmente o negócio à CVM (Comissão de Valores Mobiliários) na noite de ontem.

No entanto, a transação vazou para o mercado financeiro nos últimos dias, o que provocou uma disparada das ações da Klabin na Bovespa.

Segundo a consultoria Economática, as ações da Klabin acumulam neste ano uma valorização bastante expressiva de 152%, sendo que 28,7% só em maio.

A empresa evitava comentar a forte oscilação de seus papéis e só repetia que pretendia vender ativos de "US$ 300 milhões" até agosto próximo, sem especificá-los. O valor fechado para a Riocell foi o dobro disso.

A regra da CVM obriga qualquer companhia com ações em Bolsa a adotar procedimentos para evitar o vazamento de informações relevantes, como aquisição ou venda de ativos.

Há uma norma que recomenda até que os nomes dos executivos envolvidos em negociações do tipo sejam informados à autarquia.

Mas, em geral, a prática brasileira ignora essa regra, tornando-se comum a especulação com os papéis na Bolsa.

Nos últimos meses, investigações sobre transações fora do comum com papéis da Petrobras e do Banco do Brasil não resultaram em punições.


Leia mais
  • Ação da Klabin dispara 152% antes de venda da Riocell
  • Klabin pode vender fábrica de papel higiênico
  • Aracruz e sócia estrangeira anunciam fábrica de US$ 1,2 bi na Bahia
  • Baleias e caranguejos desafiam nova logística da Aracruz na Bahia

  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página