Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
29/07/2003 - 00h01

Entenda o que foi vendido no leilão da Telebrás

da Folha Online

- O governo vendeu as ações do Tesouro nas 12 empresas do Sistema Telebrás, em leilão realizado na Bolsa de Valores do Rio, no dia 29 de julho de 1998. Os papéis correspondiam a 20% dessas empresas e, o mais importante, seu controle acionário.

- O ágio médio alcançado nas quatro horas e quatro minutos de leilão foi de 63,7%. O valor arrecadado chegou a R$ 22,058 bilhões

- Pela regra, quem ganhasse um leilão de telefonia fixa estaria automaticamente desclassificado e não poderia participar das próximas disputas. A Telefónica de España levou a Telesp fixa. Saiu automaticamente da disputa da Tele Centro Sul (hoje, Brasil Telecom), que acabou nas mãos do banco Opportunity. O banco, por sua vez, não pôde participar do leilão da Tele Norte Leste, que foi vendida para o consórcio Telemar

Telefonia fixa e de longa distância

- Embratel
Comprador: MCI International
País de origem: EUA
Preço mínimo: R$ 1,8 bilhão
Preço pago: R$ 2,65 bilhões
Ágio: 47,22%

- Telesp
Comprador: Telefónica de España
Preço mínimo: R$ 3,52 bilhões
Preço pago: R$ 5,783 bilhões
Ágio: 64,29%
Outros interessados: Telecom Italia, Globo e Bradesco (proposta de R$ 3,965 bilhões)

- Tele Centro Sul (Brasil Telecom)
Comprador: Banco Opportunity, com fundos de pensão e Telecom Italia
Preço mínimo: R$ 1,95 bilhão
Preço pago: R$ 2,07 bilhões
Ágio: 6,15%
Outros interessados: a Telefónica de España apresentou proposta, desclassificada, porque o consórcio havia vencido a disputa pela Telesp fixa

- Tele Norte Leste (Telemar)
Comprador: AG Telecom (Telemar)
Preço mínimo: R$ 3,400 bilhões
Preço pago: R$ 3,434 bilhões
Ágio: 1%
Outros interessados: o consórcio liderado pelo banco Opportunity. Sua proposta foi desclassificada porque o consórcio venceu a Tele Centro Sul. O ágio foi o menor obtido na venda das 12 holdings do Sistema Telebrás. Depois do leilão, o BNDES entrou com 25% do capital

Telefonia celular

- Telesp Celular
Comprador: Portugal Telecom
Preço mínimo: R$ 1,1 bilhão
Preço pago: R$ 3,588 bilhões
Ágio: 226,18%

- Tele Sudeste Celular
Comprador: Telefónica de España
Preço mínimo: R$ 570 milhões
Preço pago: R$ 1,36 bilhão
Ágio: 138,6%

- Telemig Celular
Comprador: consórcio Telepart Participações S/A _Telesystem International Wireless, operadora canadense de telefonia celular (49%), banco Opportunity (27%) e fundos de pensão
Preço mínimo: R$ 230 milhões
Preço pago: R$ 756 milhões
Ágio: 228,7%

- Tele Celular Sul
Compradores: UGB Participações (União Globo Bradesco, com 50%) e Bitel (Telecom Italia, com 50%)
Preço mínimo: R$ 230 milhões
Preço pago: R$ 700 milhões
Ágio: 240%

- Tele Nordeste Celular
Compradores: UGB participações (União Globo Bradesco, com 50%) e Bitel Participações (Telecom Italia, com 50%)
Preço mínimo: R$ 225 milhões
Preço pago: R$ 660 milhões
Ágio: 193,33%

- Tele Centro Oeste Celular
Comprador: Splice do Brasil
Preço mínimo: R$ 230 milhões
Preço pago: R$ 440 milhões
Ágio: 91,3%

- Tele Leste Celular
Comprador: Iberdrola e Telefónica de España
Preço mínimo: R$ 125 milhões
Preço pago: R$ 428 milhões
Ágio: 242,4%

- Tele Norte Celular
Comprador: Telepart Participações S/A_ Telesystem International Wireless, operadora canadense de telefonia celular (49%), banco Opportunity (27%) e fundos de pensão
Preço mínimo: R$ 90 milhões
Preço pago: R$ 188 milhões
Ágio: 108,8%


Leia mais
  • Aniversário de privatização dá sinal verde para venda de empresas
  • Linha telefônica ficou 98% mais barata, mas tarifas subiram 512%
  • Acesso ao telefone cresce, mas falta de concorrência leva a "monopólio privado"
  • Privatização das teles instituiu concorrência, mas foi seguida por escândalos
  • Privatização da Telebrás "foi um bom negócio", diz FHC

  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página