Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
05/09/2002 - 09h27

Brincadeira entre alunos orientais é "preconceito positivo"

da Folha de S.Paulo

Os vestibulandos costumam dizer que não passa de brincadeira a idéia de que os estudantes de origem asiática conquistam mais vagas nas melhores universidades. Mas o mito pode causar ainda mais expectativa em quem já está bastante preocupado com a concorrência no vestibular.

"Depois de olhar a lista de aprovados e perceber que há muitos nomes orientais, decidi que tinha de estudar mais", disse Douglas Duarte Muniz, 18, que quer estudar engenharia e resolveu se esforçar mais nas aulas, assim como Marcelo Koga, 19, que vai concorrer a uma vaga no mesmo curso.

Essa espécie de preconceito positivo em relação aos orientais, segundo Zeila de Brito Fabre Demartini, professora de educação da Universidade Metodista e da Unicamp, tem origem na chegada dos primeiros imigrantes ao Brasil. "Eles planejavam retornar ao país depois de melhorar seu padrão de vida. A educação era uma das formas encontradas por eles para se inserir e ascender na sociedade brasileira da época."

Com o passar das gerações, os imigrantes acabaram assimilando hábitos brasileiros e, muitas vezes, a valorização do estudo diminuiu, mas a imagem formada naquela época permaneceu.

"A dedicação ao estudo, muito intensa nas primeiras gerações, acabou formando o estereótipo", disse Marcos Ferreira Santos, professor de antropologia da educação da USP. É por isso, segundo ele, que a convivência muitas vezes acaba com a idéia de que o oriental é mais estudioso.

"No colegial, eu achava que eles eram mais inteligentes, mas, no cursinho, percebi que somos iguais", disse Everton Santos, 19.

O fator cultural pode caracterizar a maneira como alguns descendentes de orientais estudam. Segundo o professor Santos, eles costumam valorizar a disciplina, a ordem e a concentração. "Nós [ocidentais], quando estudamos, ouvimos música e nos expomos a outras fontes de dispersão. O oriental concentra-se totalmente no estudo."

Antes de se deixar levar pelo preconceito e temer a concorrência, o vestibulando deve aprimorar os estudos e manter a autoconfiança. "Não sou daqueles que acham que os 'japoneses' vão roubar minha vaga. Isso depende da confiança que a pessoa tem em si mesma. Se ela não estuda, imagina que os orientais sejam mais inteligentes", diz Eduardo Abbud, que prestará para medicina.

Leia mais:

  • "Asiáticos" procuram mais a área de exatas na Fuvest

  • "Orientais" são motivo de preocupação entre vestibulandos

  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página