Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
14/08/2003 - 12h31

Física: Persistência da visão

TARSO PAULO RODRIGUES
da Folha de S.Paulo

Foram encontradas em cavernas pré-históricas as primeiras seqüências de figuras desenhadas pelo homem de modo a produzirem a sensação de movimento.

Essa descoberta confirma a percepção de que, quando folheamos rapidamente desenhos ou fotografias em seqüência, eles parecem se mover. Foi só em 1826 que o médico e filólogo inglês Peter Mark Roget publicou um estudo sobre o assunto.

Segundo o cientista, o olho humano retém a imagem que se forma na retina por alguns décimos de segundo a mais (aproximadamente 1/24 de segundo), mesmo após o clarão que a provocou haver desaparecido.

Essa peculiaridade do sistema óptico humano, capaz de reter a imagem por esse pequeno lapso de tempo, é conhecida como persistência da visão ou persistência retiniana.

Três anos após essa descoberta, o físico belga Joseph-Antoine Plateau foi o primeiro a medir o tempo da persistência da visão ao concluir que, para uma série de imagens darem a ilusão de movimento, é necessário que se sucedam à razão de dez por segundo.

Baseados nessas descobertas, inúmeros equipamentos foram criados para captar a imagem do movimento. Os primeiros aparelhos de projeção eram formados por discos com várias imagens coladas em posições diferentes, que, ao serem rodados, davam a impressão de mobilidade.

Para filmar um corpo em movimento, são feitas várias fotos (fotogramas) em intervalos bem curtos. Hoje, a velocidade de filmagem e projeção é padronizada em 24 fotogramas por segundo.

Como a imagem na retina persiste no intervalo de tempo compreendido entre duas imagens sucessivas, o fotograma seguinte é projetado no exato instante em que o fotograma anterior está desaparecendo de nossa "memória visual", o que produz a sensação de movimento contínuo.

O vestibular da Fuvest explorou o assunto. Uma de suas questões afirmava que um filme comum é formado por uma série de fotografias individuais projetadas à razão de 24 quadros por segundo. Uma pessoa desejando filmar o desabrochar de uma flor cuja duração era de aproximadamente seis horas pretendia apresentar esse fenômeno em um filme de dez minutos de duração.

O exercício perguntava quantas fotografias individuais do desabrochar da flor deveriam ser tiradas. Uma solução é lembrar que, como a projeção ocorre a uma velocidade de 24 quadros por segundo e o filme tem dez minutos de duração (600 segundos), o total de fotografias tiradas deveria ser de 14.400 e à razão de 40 fotos por minuto.

Tarso Paulo Rodrigues é professor e coordenador de física do Colégio Augusto Laranja

Leia mais
  • Português: Gramática ganha novo enfoque no vestibular
  • Geografia: Urbanização da população e taxa de fecundidade
  • História: O absolutismo e a reforma religiosa
  • Atualidades: O Estatuto do Desarmamento e o plebiscito de 2005
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página