Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
20/02/2007 - 11h01

Graduação a distância amplia acesso ao ensino

Publicidade

FERNANDA CALGARO
da Folha de S.Paulo

Os cursos de graduação a distância ou não-presenciais são uma modalidade de ensino em que o aluno quase não vai à faculdade e, às vezes, só o faz para responder às provas. Em geral, uma parte da carga horária do programa é presencial e a outra, consideravelmente maior, a distância. Há cursos ainda totalmente on-line, em que o estudante só realiza a prova in loco.

Para isso, os cursos se valem bastante de recursos tecnológicos, como internet, bate-papo virtual, áudio ou videoconferência, rádio e TV. Mas o correio também é usado. As atividades presenciais costumam acontecer nos pólos, unidades de ensino conveniadas com a faculdade.

Em sala de aula, sempre deve haver um professor, que é chamado de tutor, que irá passar atividades e auxiliar nas dúvidas. Também há um tutor a distância, que fica na universidade, acessível por e-mail, portal da instituição na internet ou telefone. No entanto, o diploma é expedido pela faculdade a qual o curso pertence.

Michelangelo Martins Alves, 26, vai uma vez por semana no pólo da faculdade que cursa a distância. "Costumo acessar o material pela internet em geral de madrugada, que é quando dá tempo. E, se tenho alguma dúvida, escrevo no portal e em até 12 horas tenho a resposta. Posso também ler textos de apoio da biblioteca virtual", diz.

Um decreto do final do ano de 2005 regulamentou a equivalência irrestrita entre diplomas presenciais e a distância.

"Por lei, o diploma de um curso a distância tem validade idêntica a qualquer outro curso presencial", afirma Ronaldo Mota, secretário de Educação a Distância. Um decreto do mês passado prevê ainda o recredenciamento de todos os pólos do país. "A intenção é ter um controle maior e preservar a qualidade", diz.

Para fazer o curso, o estudante tem de passar pelo processo de seleção normalmente.

Democratização

Em 2005, havia 82 cursos de graduação e tecnológicos a distância credenciados e mais de 109 mil alunos matriculados, segundo o Anuário Brasileiro Estatístico de Educação Aberta e a Distância de 2006.

"A implantação da educação a distância é muito recente no país, data do fim da década de 90", afirma Waldomiro Loyolla, diretor-científico da Abed (Associação Brasileira de Educação a Distância).

"A oferta de cursos de graduação a distância tem crescido bastante nos últimos anos no Brasil. Considero isso importante para ampliar o acesso ao ensino superior, mas é preciso ficar atento para não haver queda na qualidade", pondera Nelio Bizzo, professor de metodologia do ensino a distância da faculdade de educação da USP.

Leia mais
  • Livros ajudam a escolher a profissão e a entender o mercado de trabalho
  • Estudante precisa ser disciplinado
  • Na hora da escolha, confira se o curso é reconhecido pelo MEC
  • Professor de outro Estado dá aula pela televisão via satélite

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre educação a distância
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página