Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
18/06/2006 - 09h44

Padaria da família Klinsmann vira ponto turístico em Stuttgart

Publicidade

RODRIGO BUENO
da Folha de S.Paulo, em Stuttgart

O nome Klinsmann já diz tudo, na fachada. Não precisa nem entrar e pedir um pãozinho, devidamente embalado com o famoso sobrenome futebolístico, para saber que se trata da padaria da família do técnico da Alemanha.

Klinsmann vem de uma família de padeiros que se instalou há pelo menos duas décadas em Stuttgart --os negócios começaram nos anos 50 em cidades menores. O pai, Siegfried, morreu no ano passado, mas a mãe, Martha, sexagenária, ainda vive na padaria Klinsmann.

O estabelecimento, visitado pela Folha ontem, fica em um bairro nobre da cidade de Stuttgart, local em que o ex-goleador da seleção alemã tem um apartamento, embora viva hoje nos EUA.

Quem administra a padaria da família é Horst Klinsmann, irmão mais velho do treinador alemão. Sua mulher, Barbel Klinsmann, trabalha no local e recebeu gentilmente a reportagem.

"Com a Copa do Mundo, já fiquei acostumada a receber jornalistas. De onde você é? Brasil? Seria uma boa final com a Alemanha. Esses tíquetes que você carrega [na credencial] são para os jogos? Deixa eu ver", diz, animada, a cunhada do ex-atacante, campeão mundial em 1990.

A padaria ostenta na fachada uma bandeira da Alemanha, mas dentro está recheada de bandeirinhas de vários países. Há doces especiais em forma de jogador de futebol. "É uma homenagem a ele [Jürgen Klinsmann]", diz uma das atendentes.

Klinsmann, que ainda tem outros dois irmãos, Kurt e Bernd, mudou-se para o bairro onde está a padaria com cerca de 15 anos. Lá começou de fato a desenvolver sua vitoriosa carreira de jogador.

"A família Klinsmann é um doce. São muito amáveis. A Martha [mãe do técnico da seleção alemã] costuma dar pães para quase todos que a visitam. Ela ajuda muita gente. E tem servido os jornalistas que aparecem nesta Copa para mostrar a padaria", conta a amiga e vizinha Waltrant Ruch, também sexagenária.

"Lembro do Klinsmann pequenininho aqui. Era um bom menino. Todos os Klinsmann têm um grande coração", conta Ruch sobre a infância do treinador.

Segundo a irmã de Barbel Klinsmann, Renate, as vendas não estão aumentando com o Mundial, apenas o assédio. "Tem vindo gente aqui a toda hora. Estou ajudando a família a atender os visitantes. Mas não aumentaram as vendas neste período", afirmou a ajudante.

Especial
  • Leia cobertura completa da Copa do Mundo-2006
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página