Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
10/12/2006 - 10h37

Êxodo de jogadores espalha brasileiros no Mundial

Publicidade

RENAN CACIOLI
da Folha de S.Paulo

A propagação de jogadores brasileiros por diversos países tem reflexo na competição de times mais internacional do planeta: o Mundial de Clubes, que começa hoje. A conseqüência é que dificilmente o campeão do planeta não ostente um atleta nacional. Foi assim nas cinco edições anteriores.

Em 2006, isso não será diferente. E nem vai ser preciso que o Internacional seja campeão. Dos seis times do torneio, só o Al Ahly não tem brasileiros.

O país pentacampeão mundial exibe o maior número de jogadores no torneio. Dos 137 atletas de 23 nações inscritos no interclubes disputado no Japão, 30 são brasileiros, espalhados por cinco clubes.

Isso é um retrato do êxodo de atletas brasileiros, resultado da crise financeira dos clubes nacionais. A CBF contabiliza 4.006 transferências de jogadores para o exterior desde 2002. São cerca de 800 por ano.

Há atletas em pólos importantes da bola, como Espanha, França, Inglaterra e Itália. E outros jogadores perdidos em lugares escondidos no mapa, como Brunei, Vietnã, Azerbaijão, Chipre e Omã.

Assim como na lista da CBF, os brasileiros no Mundial dividem-se entre medalhões do futebol internacional e equipes modestas em continentes.

Em uma ponta do contraste, está o atacante Ronaldinho, do Barcelona, com seu salário de 23 milhões (cerca de R$ 65 milhões) por ano do Barcelona. Seu time é aspirante ao título.

Na outra ponta, estão desconhecidos como o meia Luiz Del Monte, do Auckland City, da Nova Zelândia, que visa apenas desfrutar do torneio e, se possível, ampliar sua experiência para atuar na área de negócios.

A invasão brasileira coincide com a mudança de fórmula instituída pela Fifa para o Mundial em 2005, que introduziu times de todos os continentes --em 2000, no Brasil, a competição também havia recebido participantes de todos os continentes

Em 2005, 131 jogadores disputaram o torneio, sendo 23 brasileiros. O país empatou com a Costa Rica. Mas, já em anos anteriores, a presença de atletas daqui entre os campeões foi uma constante.

Sem contar o ano passado, quando o São Paulo ficou com a taça, o Porto tinha Diego, Carlos Alberto e Luís Fabiano no elenco de 2004. Um ano antes, Iarley, que agora tenta o bi pelo Inter, ganhou com o Boca Juniors.

Roberto Carlos e Ronaldo ajudaram o Real Madrid a vencer em 2002, o mesmo feito por Élber e Paulo Sérgio com o Bayern de Munique, em 2001.

Desta vez, além dos 21 atletas do Inter, outros nove brasileiros buscam a taça no Japão. Depois do Brasil, os países com mais futebolistas em Tóquio, Toyota e Yokohama (as sedes do Mundial) são a Coréia e o Egito, com 21 cada um.

Em seguida, estão: México (19), Nova Zelândia (13), Espanha (9), Argentina (3), Escócia, França, Inglaterra, Paraguai e Rússia (2). Angola, Chile, Colômbia, País de Gales, Gana, Holanda, Japão, Islândia, Itália, Peru e Portugal contam com um atleta cada um.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre o Mundial de Clubes
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página