Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
21/04/2002 - 18h10

Marcos mantém o Palmeiras "engasgado" na garganta do São Paulo

Publicidade

EDUARDO VIEIRA
GUIO BASTOS

da Folha Online

Se na fase de classificação o meia Alex foi o principal responsável por deixar o Palmeiras "engasgado" na garganta do São Paulo, na semifinal o goleiro Marcos foi o grande algoz.

Com cinco defesas fundamentais, o titular da seleção brasileira assegurou hoje o empate em 1 a 1 na primeira semifinal do Torneio Rio-São Paulo, no estádio do Morumbi.

No primeiro tempo, Marcos, frente a frente com França, defendeu um chute cruzado do atacante e espalmou uma cobrança de falta que ia em seu ângulo esquerdo. No segundo, o goleiro parou finalizações à queima-roupa de Kaká, França e Sandro Hiroshi.

Na primeira fase da competição, Alex comandara a vitória por 4 a 2 com um belíssimo gol, em que deu meio chapéu sobre o zagueiro Emerson e um inteiro sobre o goleiro Rogério Ceni antes de completar para as redes.

Clique aqui para conferir o lance a lance da primeira semifinal.

Além de jogar melhor, o único alento do São Paulo foi o número de cartões amarelos _recebeu dois (Fábio Simplício e Emerson), contra três do rival do Parque Antarctica (Daniel, Paulo Assunção e Alex).

O clássico opunha os dois ataques mais letais do campeonato _47 do São Paulo (média de 3,1 por jogo) e 34 do Palmeiras (2,3).

Mas, como já era esperado num jogo decisivo, as duas equipes começaram acanhadas o clássico, mas aos poucos os comandados por Wanderley Luxemburgo foram tomando conta do meio-campo e impedindo os toques rápidos do trio Souza-Kaká-França.

A torcida são-paulina, grande maioria no estádio, se conformava e vibrava com os cartões aos palmeirenses (critério de desempate em caso de novo placar igual).

No final do primeiro tempo, o time de Nelsinho Baptista conseguiu equilibrar um pouco a partida, mas no início do segundo viu-se atrás do placar.

Aos 9min, o atacante Christian deu um drible desconcertante em Emerson com o calcanhar, na ponta direita, e cruzou. Maldonado cortou mal, e a bola sobrou para o colombiano Muñoz, que chutou cruzado no canto direito de Rogério Ceni, reserva de Marcos na seleção.

O Palmeiras tentou manter o domínio de bola no meio-campo e ditar o ritmo de jogo, mas duas alterações de Nelsinho ajudaram a equipe anfitriã empatar.

Belletti foi para a lateral direita com a entrada de Fábio Simplício no lugar de Gabriel, e Adriano substituiu Souza.

Em seu primeiro lance, o meia ficou com a sobra de uma finalização mal feita pelo atacante Sandro Hiroshi e mandou de longa distância. A bola desviou em Magrão e entrou no canto esquerdo de Marcos.

Motivado, o São Paulo estrangulou o Palmeiras, mas Marcos assegurou o resultado.

SÃO PAULO:
Rogério Ceni; Gabriel (Fábio Simplício), Emerson, Jean e Gustavo Nery; Maldonado, Belletti, Souza (Adriano) e Kaká; Júlio Batista (Sandro Hiroshi) e França.
Técnico: Nelsinho Baptista

PALMEIRAS:
Marcos; Arce, Alexandre, César e Daniel; Paulo Assunção, Magrão, Claudecir e Alex; Christian (Lopes) e Itamar (Munõz).
Técnico: Wanderley Luxemburgo

Gols: Munõz aos 9min e Adriano aos 30min do segundo tempo.
Cartões Amarelos: Daniel (P), Alex (P), Paulo Assunção (P), Fábio Simplício (S) e Emerson (S)
Local: estádio do Morumbi
Juiz: Paulo César Oliveira (SP)

Leia mais:
  •  Vantagem nos cartões não entusiasma são-paulinos

  •  Novo presidente do São Paulo tranquiliza Nelsinho

  •  Adriano entra, decide e quer vaga de titular do São Paulo

  •  Marcos recebe elogios de são-paulinos e palmeirenses

  •  texto

  •  Arce tem performance apagada no clássico

  •  Cartões alteram rotina dos torcedores na semifinal do Rio-SP


  • Leia mais sobre os torneios regionais:

  • Rio-São Paulo

  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página