Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
14/01/2003 - 20h05

Palmeiras, Lusa e Botafogo preparam a virada de mesa

RODRIGO BUENO
EDUARDO ARRUDA
SÉRGIO RANGEL
da Folha de S.Paulo

Está articulada a "virada de mesa" que pode levar de novo Palmeiras, Botafogo e Lusa à primeira divisão do futebol brasileiro. Um suposto uso irregular do meio-campista Wendell por parte do Flamengo em duas partidas do Brasileiro-2002 será a principal ferramenta para outra "virada".

Palmeiras e Lusa não participaram hoje do Conselho Técnico da Série B do Brasileiro. Os dois clubes anunciaram que vão entrar na Justiça desportiva para tentar tirar dez pontos do Flamengo no Nacional. O Botafogo também não compareceu à reunião.

Os advogados de Palmeiras e Lusa alegam que Wendell atuou irregularmente em duas partidas da equipe carioca. O jogador teria falsificado a sua assinatura no seu registro na entidade. Pelo Código Brasileiro Disciplinar do Futebol, o time que escala jogador irregular perde cinco pontos por jogo.

A Lusa, time mais bem colocado entre os quatro que foram rebaixados, ficaria na primeira divisão se o Flamengo fosse punido.

"Estamos compondo o material que será levado ao STJD. Não é virada de mesa. É uma questão de obedecer as normas esportivas, que prevêem a perda de pontos para quem usar um jogador irregular. Vamos levar o caso ao STJD ainda nesta semana", disse Marcos César Amador Alves, vice jurídico do clube do Canindé.

Pedro Magno, um dos advogados do Flamengo, disse que já preparava a defesa do clube, pois havia sido informado que o Palmeiras levaria o caso ao STJD.

"Nosso vice-presidente pediu que eu pesquisasse o caso. Ouvi que o Palmeiras iria ao STJD e decidimos preparar nossa defesa. A princípio, a transferência do atleta foi regular. E a CBF aceitou o seu registro. Se houve erro, foi do jogador. O Flamengo é terceiro, e de boa fé", disse Magno.

O advogado flamenguista entende que o prazo para queixas expirou. "Os resultados do campeonato já foram homologados. Se é descoberta uma irregularidade agora no campeonato de 1999 nada será mudado", disse.

Após o título do Vasco na Copa JH, foi descoberta irregularidade no uso do lateral-esquerdo Jorginho, mas nada foi feito a respeito.

A Lusa entende que tem o direito de voltar à elite. "O prazo começa a valer quando o fato é noticiado. E isso foi sabido só agora. O pedido da Portuguesa tem legitimidade", disse Amador Alves.

O presidente do Palmeiras, Mustafá Contursi, que após sua reeleição admitiu a hipótese de virada de mesa, ficou reunido hoje a sós com Ricardo Teixeira, presidente da CBF, no Rio.

O Palmeiras não ascenderia à Série A diretamente com eventual retirada de pontos do Flamengo, mas o imbróglio jurídico e a possibilidade de ver o clube mais popular do país na segunda divisão poderiam criar o cenário ideal para a virada de mesa -um acordo deixaria todos na elite.

A ausência de Palmeiras, Lusa e Botafogo na reunião de hoje da Série B foi interpretada pela maioria dos clubes como mais um passo para virar a mesa. Como os integrantes dos três clubes não assinaram a lista de presença da reunião, os dirigentes poderão alegar que jamais concordaram em disputar o torneio, caso sejam beneficiados pela virada.

Um representante palmeirense teria viajado a Fortaleza para analisar a documentação de Wendell.

Em Fortaleza, o supervisor do Uniclinic, Léo Castro, negou haver irregularidades no contrato de Wendell com o Flamengo.

"Isso é desconhecido para mim. Não houve irregularidade nenhuma. Se houvesse, ele [Wendell] não teria sido registrado pela federação cearense e pela CBF. O Ceará deu a rescisão contratual dele, ele assinou contrato conosco, e nós o repassamos ao Flamengo. Foi tudo legal", declarou.

Para o diretor do departamento de registro da CBF, Luis Gustavo Vieira, a alegação do Palmeiras e da Lusa não tem fundamento. "O jogador atuou no Brasileiro em situação regular", disse Vieira.






 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página