Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
25/05/2003 - 12h08

Acadêmicos apoiaram veto de Vargas ao futebol feminino

da Folha de S.Paulo

O início dos anos 40, quando o país vivia o Estado Novo, assistiu a acirrados debates sobre a prática do futebol entre as mulheres.

A pressão para que ele fosse banido foi grande. Professor da Escola Nacional de Educação Física e Desportos, Waldemar Areno dividiu os esportes femininos em três grupos: os indicados, os permitidos com reservas e os contra-indicados. Neste, pôs o futebol.

Sua análise coincidiu com conclusões do 1º Congresso Pan-Americano de Educação Física, realizado no Rio, em 1943.

O encontro concluiu que "os regimes de exercícios para o sexo feminino devem ser diferentes dos do sexo masculino e condicionar-se às características morfo-fisiológicas da mulher e à sua preparação para a maternidade".

Já o médico Humberto Ballariny deu um parecer condenando sua prática pelas mulheres: "É um exacerbador do espírito combativo e da agressividade, qualidades incompatíveis com o temperamento e o caráter feminino".

Diante de uma série de reclamações de médicos e professores, o esporte passou a ser alvo de análise da Subdivisão de Medicina Especializada do governo Vargas.

Segundo o historiador Fábio Franzini, autor de "As raízes do futebol: estudo sobre a relação entre o futebol e a nacionalidade brasileira (1919-1950)", pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, ela recomendou ""uma campanha de propaganda para mostrar os males que o futebol praticado pelas mulheres pode causar".

Leia mais
  • Futebol feminino chegou a ser proibido no Brasil na ditadura Vargas
  • Após boom de Atlanta-96, futebol feminino agoniza no país
  • Homens podem ter disputado primeiro jogo "feminino" no Brasil
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página