Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
25/05/2003 - 12h09

Após boom de Atlanta-96, futebol feminino agoniza no país

da Folha de S.Paulo

Quando o Brasil obteve o quarto lugar no torneio feminino de futebol dos Jogos de Atlanta, as jogadoras tiveram esperança de que a modalidade começasse a se organizar de vez no país. Em vão.

Em 1997, até houve, em São Paulo, uma tentativa da Federação Paulista de Futebol de emplacar um campeonato estadual. O Saad, principal time feminino do Brasil, distribuiu suas jogadoras entre os clubes e as universidades participantes. Os jogos, porém, foram fracasso de público.

Eduardo José Farah, presidente da FPF, tentou nova fórmula em 2001. Reforçou os clubes com modelos, que pudessem atrair a torcida por seus atributos físicos.

Também não deu certo, os torcedores não apareceram, e a competição foi para o espaço. Assim como as equipes dos clubes.

São Paulo, Corinthians e Vasco, que chegaram a investir no setor, especialmente depois dos Jogos de 1996, recuaram.

São Paulo e Rio não devem ter campeonatos em 2003, tampouco há projetos para 2004.

Sem um calendário oficial de competições, dos 24 times da Série A, apenas 4 mantêm times de mulheres -Guarani, Internacional, Juventude e Santos.

A Confederação Brasileira de Futebol, por sua vez, defende-se, dizendo que não há como montar um calendário, se não há times suficientes para disputá-lo.

A saída tem sido o aeroporto. Como disse Paulo Gonçalves, técnico da seleção brasileira de futebol, não são poucas as atletas que procuram o exterior, já que no Brasil a modalidade agoniza.

O país exporta jogadoras para a China, a Escandinávia e, principalmente,
para os EUA.

E não só atletas. Até times. Foi o caso do Saad. Sem campeonatos no país, o time assinou convênio com a National American University, de Dakota do Sul, e passou a competir em solo americano.

No Brasil, só acontecem mesmo alguns torneios amistosos, como um que termina hoje, em Serra Negra, e reuniu, além do Saad, o Santos e as seleções sub-21 do Brasil e dos EUA.

Leia mais
  • Futebol feminino chegou a ser proibido no Brasil na ditadura Vargas
  • Acadêmicos apoiaram veto de Vargas ao futebol feminino
  • Homens podem ter disputado primeiro jogo "feminino" no Brasil
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página