Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
18/06/2003 - 23h35

Coadjuvantes levam Santos à final da Libertadores após 40 anos

da Folha Online

O Santos arrancou uma vitória de virada por 3 a 2 sobre o Independiente de Medellín, na Colômbia, e se classificou para voltar a disputar a decisão da Taça Libertadores depois de 40 anos. O rival só sairá nesta quinta-feira, entre Boca Juniors e América de Cali. Caso o time argentino avance, também se repetirá o adversário da final de 1963.

O atacante Ricardo Oliveira, que vem de uma contusão, só foi definido na última hora para a segunda partida das semifinais, mas os gols santistas foram de três coadjuvantes: o zagueiro Alex, o lateral Léo e o meia Fabiano, que seria o substituto do artilheiro. Robinho, o outro titular do ataque, deixou o campo lesionado.

Albeiro Lopera/Reuters

Robinho, que saiu contundido,
comemora a classificação

O jogo começou disputado, mas sem objetividade. O primeiro chute a gol só veio aos 9 min, com Montoya, que, de longe, mandou para fora. Na seqüência, Reginaldo Araújo entrou livre na área e, com Ricardo Oliveira sozinho ao seu lado, chutou por cima.

Depois da chance desperdiçada pelo Santos, o Independiente partiu em contra-ataque rápido e abriu o placar aos 14min, com Moreno, que tocou por cima de Fábio Costa, na saída do goleiro.

A situação ficou mais complicada para o Santos com a saída de Elano, que teve de ceder o lugar a Fabiano depois de se contundir ao sofrer uma falta violenta.

Apesar da necessidade de empatar, o time brasileiro não conseguia criar chances e continuava a sofrer com as investidas do adversário, que ameaçava mais.

Só aos 36min, depois de uma cobrança de falta de Alex, a bola sobrou na área para Fabiano, que chutou prensado por cima. Em seguida, ao 37min, o Santos empatou em um lance involuntário de Alex, que viu a bola bater em seu peito e entrar, após cruzamento de Diego da direita.

No segundo tempo, o Independiente já ameaçou logo no início, em cobrança de Montoya que só foi defendida por Fábio Costa em dois tempos. O Santos deu a resposta rapidamente. Robinho fez boa jogada pela esquerda e cruzou para Ricardo Oliveira, que chutou no travessão. O rival não deixou por menos e também colocou uma bola na trave superior, em cobrança de falta de Molina.

Com a obrigação de marcar mais um gol para não ser eliminado, o Independiente manteve a pressão, mas também continuou a ser ameaçado pelo Santos. Aos 17min, Reginaldo Araújo tabelou com Fabiano, que entrou na área e chutou cruzado para fazer 2 a 1.

Quando era a equipe brasileira que levava mais perigo, o Independiente conseguiu o empate, aos 36min, em um chute de longe de Molina. Sob muita pressão do rival a partir daí, o Santos ainda fez o terceiro gol aos 42min, com Léo, após duas tentativas de frente para o goleiro González.

INDEPENDIENTE DE MEDELLÍN
González; Vásques (Álvarez), Baloy, Perea e Calle; Cortés, Restrepo, Jaramillo e Montoya (Serna); Molina e Moreno (Diego Álvarez).
Técnico: Víctor Luna

SANTOS
Fábio Costa; Reginaldo Araújo (Andre Luís), Pereira, Alex e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano (Fabiano)e Diego; Ricardo Oliveira e Robinho (Douglas).
Técnico: Emerson Leão

Local: estádio Atanasio Girardot, em Medellín (Colômbia)
Juiz: Gilberto Hidalgo (PER)
Cartões amarelos: Fábio Costa (S) e Jaramillo (I)
Gols: Moreno, aos 14min, e Alex, aos 37min do primeiro tempo; Fabiano, aos 17min, Molina, aos 36min, e Léo, aos 42min do segundo tempo

Leia mais
  • Futebol brasileiro chega pela 21ª vez na história à final da Libertadores
  • Brasil recebe pela 4ª vez em cinco anos a final da Libertadores
  • Heróis santistas, Alex e Léo enaltecem suas atuações

    Especial
  • Libertadores

  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página