Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
25/04/2004 - 17h55

Derrota para o Inter-RS quebra "calmaria" do Palmeiras

Publicidade

da Folha Online

Após uma semana tranqüila de treinos, sem as polêmicas, discussões e até agressões entre jogadores que tumultuaram o clube neste mês, o Palmeiras voltou a jogar mal e foi derrotado pelo Internacional por 1 a 0, em sua segunda partida no Brasileiro, realizada neste domingo, no estádio do Beira-Rio, em Porto Alegre.

Após um ano de ausência, (o Palmeiras disputou a Série B em 2003) o time do técnico Jair Picerni já havia estreado no Campeonato Brasileiro de maneira conturbada. Em partida ruim, o time apenas empatou, em casa, com o Atlético-MG (0 a 0).

A festa esperada pela volta da equipe à primeira divisão, na partida contra o Atlético, foi trocada pelo protesto da torcida, que deixou de lado o apoio dado em 2003, voltou a criticar a equipe e o presidente Mustafá Contursi, assim como nas partidas que antecederam o rebaixamento da equipe em 2002.

Apesar de ter afirmado que o clima no Palmeiras havia voltado "ao normal", o técnico Jair Picerni deve enfrentar mais pressões nesta semana, já que a equipe conquistou apenas um ponto dos primeiros seis que disputou na competição nacional.

Na partida deste domingo, o Palmeiras foi apático. O goleiro Marcos, envolvido em uma das polêmicas geradas na equipe, após a troca de agressões com o atacante Muñoz, falhou no único gol da partida.

Aos 38min, o goleiro errou, após o recuo da defesa, e chutou a bola em cima do atacante Nilmar, que não desperdiçou a única chance clara de gol de ambas as equipes em todo o primeiro tempo.

No intervalo da partida, ao explicar a falha, Marcos deixou claro o momento turbulento por qual passa o Palmeiras. "Não vi ele [Nilmar] na minha frente e chutei em cima dele. Mais uma vez foi falha minha. Fazer o que?", disse.

No segundo tempo, mesmo com um homem a mais durante 45 minutos, (o zagueiro Vinícius foi expulso) a equipe paulista não soube transformar a vantagem numérica em gols.

O técnico Jair Picerni, que havia começado a partida com apenas um atacante (Vágner), colocou Rafael Marques no lugar do volante Marcinho, mas esbarrou na forte marcação do Internacional, que terminou a partida com o resultado positivo.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página