Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
26/10/2005 - 10h52

Enfraquecido, Flamengo se reaproxima da CBF

Publicidade

RODRIGO MATTOS
da Folha de S.Paulo

Enfraquecido pela ameaça de cair para a Série B, a diretoria do Flamengo se reaproximou da cúpula da CBF, com quem mantém relação de constantes brigas.

A primeira medida foi a volta ao clube do ex-presidente Kléber Leite, que é próximo do presidente da CBF, Ricardo Teixeira. O dirigente rubro-negro tornou-se o interlocutor do clube na entidade.

Assim foi amenizada a inimizade entre o presidente do clube, Márcio Braga, e Teixeira. O dirigente do Flamengo sempre critica a gestão da CBF.

A primeira conseqüência da reaproximação foi a cessão da Granja Comary para o Flamengo treinar de 4 a 15 de novembro. O clube terá de pagar somente os custos da concentração, sem ter arcar com o aluguel.

A negociação para a obtenção da sede foi feita por Leite e pelo vice-presidente de futebol, Hélio Ferraz, outro que mantém bom relacionamento com Teixeira.

"Essa relação institucional entre o clube a confederação sempre existiu", explica Ferraz.

Na cúpula da CBF, a ajuda é justificada pelo desgaste político que causará a eventual queda do time para a Série B. A entidade sabe que, para rebaixá-lo, terá de enfrentar pressões populares.

Uma questão pendente entre o clube e a entidade são as dívidas. O Flamengo tomou três empréstimos da confederação.

Mas alega ter dinheiro para receber por conta de salários de jogadores convocados. Há uma negociação em curso para determinar o valor do saldo.

Especial
  • Leia cobertura completa sobre o Campeonato Brasileiro
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página