Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
18/05/2001 - 10h08

"Águas de Março", de Tom Jobim, é eleita a melhor da história

Publicidade

LÚCIO RIBEIRO
PEDRO ALEXANDRE SANCHES

da Folha de S.Paulo

"Águas de Março", de Tom Jobim (1927-1994), é considerada a melhor música brasileira da história, de acordo com enquete realizada pela Ilustrada junto a 214 pessoas de faixas etárias diversas, entre personalidades do meio musical e cultural e jornalistas.

A pergunta "Qual a melhor música brasileira de todos os tempos", englobando MPB e as várias vertentes do pop, faz parte da série de enquetes de iniciativa do caderno cultural da Folha, num ranking do que de mais significativo se fez na música brasileira, desde o primeiro samba gravado, "Pelo Telefone", de 1917, até o mais recente disco do Pato Fu.

Cada votante foi estimulado a escolher suas três canções prediletas, sob critério aberto.

Em março último, a capa do álbum "Secos & Molhados" (73), com as cabeças dos quatro membros do grupo que revelou Ney Matogrosso servidas à mesa, foi eleita a melhor da história.

"Águas de Março", histórica canção de Tom Jobim composta em 1972, venceu a enquete para a qual foram pedidos votos que levassem em consideração letra, melodia, conjunto, importância, razões históricas, razões afetivas e uma mistura disso tudo.

A música de Tom Jobim recebeu 23 votos. A segunda melhor canção brasileira desde sempre é "Construção" (1971), de Chico Buarque, com 21 menções.

Jobim volta à terceira posição, por sua parceria com Vinicius de Moraes em "Chega de Saudade" (1958). Marco fundador da bossa nova, na voz de João Gilberto, teve 18 votos. Tom reaparece ainda duas vezes entre as dez mais.

"Retrato em Branco e Preto" (1968, em parceria com Chico Buarque) fica em sexto lugar, empatada com "Detalhes" (1971, de Roberto e Erasmo Carlos) e "As Rosas Não Falam" (de Cartola, gravada pelo autor em 1976).
"Garota de Ipanema" (1963, também com Vinicius) divide o sétimo lugar com "Asa Branca" (1947, Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira) e "Domingo no Parque" (1967, Gilberto Gil).

"Corcovado" (1960) e "Desafinado" (1958, com Newton Mendonça) participam de um empate entre sete canções, na nona colocação, e "Wave" (1967) aparece com outras seis no décimo lugar.

Somando os votos obtidos por cada autor da MPB em suas várias canções, Jobim também dispara na frente. Recebeu 110 menções, contra 69 ao segundo colocado -Chico, de novo. O terceiro é Vinicius de Moraes, com 48 lembranças por suas parcerias com Tom, Chico, Baden Powell, Edu Lobo, Carlos Lyra e Toquinho.

O quarto lugar é dividido entre o tropicalista Caetano Veloso e o azarão Jorge Ben (nenhum voto para a fase Ben Jor): 34 menções.

A dupla mais bem-sucedida da história do pop nacional ocupa a quinta vaga do ranking. Roberto Carlos e Erasmo Carlos levaram 24 votos cada um, porque apenas canções compostas pelos dois em parceria foram lembradas.

As mulheres chegam em desvantagem à lista. Rita Lee recebeu 15 votos (majoritariamente por suas músicas com os Mutantes), empatando em 11º com Cartola entre autores mais votados.

Por fim, a galeria de autores da MPB oscila quanto ao número de canções lembradas de cada um. Tom e Chico estão novamente na frente, agora empatados -cada um teve 32 músicas citadas pelos votantes.

O segundo lugar vai para Jorge Ben, que só tem "Mas que Nada" (1963) na lista das mais mais, mas acumula votos para 22 músicas diferentes. Caetano o segue de perto, com 20 músicas votadas.

Veja a letra da música:

"É pau, é pedra,
é o fim do caminho
É um resto de toco,
é um pouco sozinho/

É um caco de vidro,
é a vida, é o sol
É a noite, é a morte,
é o laço, é o anzol

É peroba do campo,
é o nó da madeira
Caingá candeia,
é o matita-pereira

É madeira de vento,
tombo da ribanceira
É o mistério profundo,
é o queira ou não queira

É o vento ventando,
é o fim da ladeira
É a viga, é o vão,
festa da cumeeira

É a chuva chovendo,
é conversa ribeira
Das águas de março,
é o fim da canseira

É o pé, é o chão,
é a marcha estradeira
Passarinho na mão,
pedra de atiradeira

É uma ave no céu,
é uma ave no chão
É um regato,
é uma fonte,
é um pedaço de pão

É o fundo do poço,
é o fim do caminho
No rosto o desgosto,
é um pouco sozinho

É um estrepe, é um prego,
é uma ponta, é um ponto
É um pingo pingando,
é uma conta, é um conto

É um peixe, é um gesto,
é uma prata brilhando
É a luz da manhã,
é o tijolo chegando

É a lenha, é o dia,
é o fim da picada
É a garrafa de cana,
o estilhaço na estrada

É o projeto da casa,
é o corpo na cama
É o carro enguiçado,
é a lama, é a lama

É um passo, é uma ponte,
é um sapo, é uma rã
É um resto de mato,
na luz da manhã
são as águas de março
fechando o verão
É a promessa de vida
no teu coração

É uma cobra, é um pau,
é João, é José
É um espinho na mão,
é um corte no pé

São as águas de março
fechando o verão
É a promessa de vida
no teu coração

É pau, é pedra,
é o fim do caminho
É um resto de toco,
é um pouco sozinho

É um passo, é uma ponte,
é um sapo, é uma rã
É um belo horizonte, é uma febre terçã

São as águas de março
fechando o verão
É a promessa de vida
no teu coração"

Leia também:

  • Veja a lista das músicas mais votadas na enquete da Ilustrada
  • "Águas de Março" foi revelada pelo "Pasquim"
  • Mulheres dizem que ausência na lista é machismo

  • "10 mais da música brasileira foram eleitas com voto cívico e de protesto
  • "Águas de Março" tem "construção sólida" trinta anos depois
  • Lista das melhores da MPB revela o Brasil de 2001
  • Veja a lista dos compositores brasileiros mais lembrados
  • Saiba quem elegeu a melhor música brasileira da história


  • Vote Qual é a melhor canção da MPB?
     

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página