Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
04/02/2002 - 07h29

Heróis da Marvel mudam de "casa" após 22 anos

Publicidade

DIEGO ASSIS
da Folha de S.Paulo

A Marvel, também conhecida como "Casa das Idéias" nos Estados Unidos, está de casa nova no Brasil. Depois de 22 anos com a editora Abril, títulos como "Homem-Aranha", "X-Men" e "Capitão América", entre outros, passam agora às mãos do grupo italiano Panini Comics, responsável pelo licenciamento, impressão e distribuição dos quadrinhos da Marvel em mais de 30 países atualmente.

Relativamente novata por aqui, a empresa entrou no mercado brasileiro em 1988, através de uma parceria com o próprio Grupo Abril para a produção de álbuns de figurinhas, uma das especialidades da Panini desde a sua fundação, em 1961.

A partir de 1995, seu interesse pela impressão de histórias em quadrinhos no Brasil passou a crescer, fazendo com que, em dezembro do ano passado, com o fim do contrato da Marvel com a Abril, a italiana assumisse o filão.

"Precisamos voltar a atrair o interesse do leitor mirim", afirma José Severo Martins, presidente da Panini no Brasil.

Briga de titãs
Aos três títulos que vinham sendo publicados pela Abril ("Aranha", "X-Men" e "Marvel Século 21"), a Panini acrescentou outros três ("Paladinos Marvel", "Marvel 2002" e "X-Men Extra").

O formato fica maior: 18,7 x 27,6 cm. O preço, menor: R$ 4,50 e R$ 6,90.
A linha "Século 21", que recontava a história do herói aracnídeo sob uma óptica mais atual, passa a se chamar "Millenium".

Mas a série que deve chamar mais a atenção dos leitores veteranos é a "Paladinos" ("Marvel Knights", nos Estados Unidos), que trará aventuras do Quarteto Fantástico, Justiceiro, Hulk e Capitão América, roteirizadas por Grant Morrison, Garth Ennis e outros conhecidos do público do selo Vertigo (linha de histórias em quadrinhos adultas da DC Comics, principal concorrente da Marvel).

"Serão HQs com uma abordagem mais violenta e relacionadas ao que acontece atualmente no mundo. Isso costumava ser feito nas décadas de 60 e 70 pela Marvel, mas depois foi sendo deixado de lado por uma preocupação quase que exclusiva com os desenhos", afirma Hélcio de Carvalho, diretor editorial da Mythos, que será parceira do grupo Panini na administração do conteúdo das publicações.

Mas, se o arsenal do grupo italiano rende boas batalhas, a editora Abril, que ficou ainda com os direitos dos heróis da DC (Super-Homem, Batman e outros), também promete pegar pesado.

Além de baixar os preços, a editora deve lançar, já em fevereiro, a tão aguardada "Batman: Cavaleiro das Trevas 2", de Frank Miller.




 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página