Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
26/02/2002 - 19h35

Kid Vinil volta com o grupo Magazine lançando CD na internet

Publicidade

CARLA NASCIMENTO
da Folha Online

Antes mesmo de o cantor Zeca Baleiro fazer uma provocação bem humorada ao perguntar, em uma das músicas de seu disco de estréia, quando Kid Vinil iria gravar um CD, o cantor que inspirou a letra já havia gravado o "Xu Pa Ki Verminose", CD demo independente, lançado em 1993, com tiragem de apenas 300 cópias, que marcaria a volta de Kid ao mercado fonográfico, mas que passou praticamente despercebido. Agora, o pessoal na faixa dos 30, que ouviu à exaustão o hino dos office-boys, "Eu Sou Boy", poderá matar pra valer as saudades do bom humor da banda liderada por Kid Vinil na década de 80, a Magazine.

Lançado pela Trama, o CD está à venda desde ontem somente na internet. Nas lojas convencionais, o disco só deverá chegar no dia 25 de março.

Divulgação
Capa do novo CD
do Magazine

A sonoridade não é mais a mesma de quando o grupo foi criado, mas o discurso "continua a ser o do bom humor", garante Antonio Carlos Xenofonte, 46, o Kid Vinil. Quem ouvir "Na Honestidade" vai perceber uma mistura de punk e rock dos anos 70 e 80 adaptada aos dias de hoje.

Em meio à volta de tantas bandas que fizeram sucesso na mesma época do Magazine e tentam emplacar novamente hoje, boa parte sem sucesso, o vocalista diz que não teme o retorno.

"A gente não tem compromisso com o sucesso. A gente fez um disco legal e quer que dê certo. Não existe essa obrigatoriedade, é apenas um disco legal", disse.

Da mesma forma, ele responde sobre o futuro do grupo, cuja primeira formação foi desfeita em 1985, com sua saída. "Obrigação de ter um disco todo ano não existe. É um jogo. Não é uma coisa exata."

Kid Vinil formou, em 1980, o grupo Verminose, com o guitarrista Minho K, o baixista Stopa e o baterista Trinkão. Com a substituição de Minho K por Ted Gaz, o nome mudou para Magazine. Kid remontaria o Verminose com Stopa, Trinkão e os guitarristas Duca e Carlos Nishimiya para lançar, em 1993, o disco "Xu-Pa-Ki Verminose", com sonoridades punks e letras bem-humoradas.

Hoje, a atual formação do Magazine inclui, além de Kid Vinil, o baterista original, Trinkão, Carlão e Ayrton.

Jornalista, radialista, DJ e apresentador de televisão, nos quase 20 anos que se passaram entre sua saída e o lançamento de "Na Honestidade", Kid Vinil se dedicou a todas essas atividades, mas nunca perdeu de vista os companheiros do Magazine.

Como nunca pararam de trabalhar juntos, "Na Honestidade" chega repleto de músicas que a banda vinha compondo nos últimos nove anos, mas não tinha nenhuma perspectiva de lançar no mercado. O convite, segundo o cantor, teria partido da própria Trama, onde o vocalista é diretor da divisão artística internacional.

"Na Honestidade" ironiza o bairrismo em "Bah! Velhinho", o deslumbramento por tudo que é estrangeiro em "Ele Quer Ser Inglês" e o autoritarismo em "Chavez".

A instabilidade do clima paulistano aparece em "Nonsense Total" e a resposta a Zeca Baleiro, que em 1997 gravou "Kid Vinil" em seu disco de estréia, "Por Onde Andará Stephen Fry?", vem em forma de um rock-baião na música "Zeca Baleiro".

Embora o CD seja quase todo composto por músicas do próprio Magazine, "Na Honestidade" começa com "Conversível Irresistível", de Roger Moreira, do Ultraje a Rigor, e termina com "Boeing 723897", do primeiro LP do Joelho de Porco, de 1976.

"Casa dos Artistas"

A escolha da internet para lançar o CD está ligada ao estilo da banda que, segundo Kid Vinil, procura um caminho alternativo para divulgar seu trabalho. Dentro dessa perspectiva, Kid não descartaria, por exemplo, uma participação em "Casa dos Artistas", do SBT, como fez o cantor Supla.

"Pra você colocar um trabalho na mídia, esse tipo de programa tem sido a única forma. 'Casa dos Artistas' é saída pra todo mundo. É o sonho de consumo de qualquer artista pra vender o seu disco", disse o cantor.

As 13 faixas do CD, que está à venda na lojas loja Trama, Saraiva, Submarino, Americanas, Painel Musical e Fnac, entre outras, podem ser compradas separadamente. Quem comprar uma música do álbum pela internet ganha a faixa "Lá Vem o Chicão" de brinde.

O CD custa em média R$ 19,90 e cada faixa R$ 1,50.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página