Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
09/04/2002 - 23h59

Nem sucesso de "Casa" consegue esconder erros de "Marisol"

Publicidade

CARLA NASCIMENTO
da Folha Online

Apesar de apostar no sucesso conseguido com a primeira versão do "reality show" "Casa dos Artistas" e de seus "atores", nem por decreto a novela "Marisol" deverá ter desempenho melhor do que os magros pontos no Ibope conseguidos pelas tramas do SBT.

A novela, que estreou nesta terça-feira e tem nos papéis principais os ex-moradores da"Casa" Bárbara Paz e Alexandre Frota, é a terceira a ser exibida pelo SBT dentro do acordo de cinco anos com a mexicana Televisa. Com esse acordo, a emissora brasileira exibe as novelas escritas (e já veiculadas) pela Televisa com produção e atores nacionais.

A novela conta a história de uma moça sofredora, Marisol (Bárbara Paz), que, além de sustentar a mãe doente com o dinheiro que ganha vendendo flores de papel no centro de São Paulo, sente-se rejeitada e feia por causa de uma cicatriz que tem no rosto.

Marisol namora o mau-caráter Mário (Alexandre Frota), por acreditar que ninguém mais iria se interessar por ela. No final, ela descobre que é herdeira de uma grande fortuna e conquista um amor verdadeiro, o de Rodrigo (Carlos Casagrande). O personagem-título passará por algumas transformações ao longo da trama, que começa em 1984 e tem uma segunda fase em 2002.

As primeiras cenas mostram Marisol vendendo flores no Pátio do Colégio, no centro de São Paulo. Mas a ambientação, com mães levando seus bebês para passear, vendedor de balões e uma calmaria que passa longe da agitação que já existia no local havia quase 20 anos, mostram o que o público pode esperar em seguida: mais erros.

Escrita pela cubana Inés Rodena, autora de "Marimar", "Maria do Bairro" e "A Usurpadora", todas já exibidas pelo SBT, "Marisol" é uma história produzida originalmente para uma emissora mexicana, tem no elenco atores cujo trabalho deixa muito a desejar, erros crassos de continuidade e concepção de cenário e ambientação equivocadas, para dizer o mínimo. Diante disso, o que mais há para ser dito? "Marisol" é ruim e este comentário poderia se encerrar por aqui.

Contudo, não é apenas por tais motivos que a nova produção do SBT já nasceu condenada ao fracasso. A novela tem todos os elementos que compõem a antiquíssima fórmula do conto maravilhoso: o vilão, traição, núcleos opostos (a família rica e a pobre) e a mocinha pobre que, no final, descobre que é rica e se casa com o mocinho, também rico, e vai viver feliz para sempre.

Se todos os ingredientes que prendem o interesse do público estão em "Marisol", qual o problema, afinal? Dosar e saber apresentar os tais elementos é o que garante o sucesso de uma trama, e isso, mais uma vez, o SBT está mostrando que não sabe fazer.

No primeiro capítulo, o público já fica sabendo que a mãe de Marisol é de uma família rica, mas que, por um motivo ainda não revelado (pelo menos isso!) foi expulsa de casa e hoje vive em dificuldades financeiras. Os vilões também já estão definidos e o público sabe exatamente quais serão os conflitos da trama. Diante disso "Marisol" não desperta mais interesse, tudo já foi revelado.

Certamente, resta o apelo já feito na escolha do elenco e que extrapola os limites da própria novela. A emissora de Silvio Santos aposta na identificação que o público fará entre a história de Marisol e a da atriz que a interpreta. Apesar disso, os erros de "Marisol" são tão primários que o público certamente vai perceber a diferença entre o roteiro e a direção da novela e aquela realizada com competência em "Casa dos Artistas".
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página