Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
23/06/2002 - 14h44

"Casa dos Artistas 3" já não dá tanto Ibope

Publicidade

CARLA MENEGHINI
da Folha de S.Paulo

O IBOPE da "Casa dos Artistas" não é mais o mesmo. A terceira versão do "reality show" do SBT -que entrou para a história ao vencer o até então imbatível "Fantástico", da Globo- não repete as audiências das "Casas" 1 e 2.

As duas primeiras semanas de "Casa 3", que estreou em 2 de junho, alcançaram média de 13 pontos nas transmissões de segunda a sábado. Na "Casa 1", a média nas duas primeiras semanas foi de 25 pontos e, em "Casa 2", de 22 pontos.

O diretor do programa, Rodrigo Carelli, nega que o formato esteja desgastado: ""Casa 3" está entre os programas de maior audiência do SBT, não se pode dizer que não há interesse do público".

Carelli atribui a baixa na audiência nas duas primeiras semanas à concorrência com os últimos capítulos de "O Clone". O Ibope de "Casa 3" na última segunda, primeiro dia sem "O Clone", foi de 16 pontos, três acima da média, mas ainda longe dos índices das antecessoras.

O Ibope dominical -dia em que não há concorrência com a novela das oito- também não foi muito bem em comparação com as edições passadas. No último domingo, o terceiro desde o início de "Casa 3", a atração perdeu para o "Fantástico", por 29 contra 32 pontos.

No terceiro domingo de exibição, a primeira "Casa" atingiu 39 pontos, contra 26 do "Fantástico"; "Casa 2" também ganhou, por 36 contra 26 pontos.

"O público está cansando, né?", diz a modelo Mari Alexandre, participante da "Casa 1". "Está ficando repetitivo e os participantes não são espontâneos."

Para Alexandre Frota, também ex-"Casa 1", o problema da "Casa 3" está no elenco, que conta com seis artistas e seis fãs. "Os fãs são um bando de oportunistas inexpressivos; o público nem sabe o nome deles", diz o ator.

Carelli considera bem-sucedida a estratégia de confinar supostos fãs com os artistas para fugir da repetição. "Isso fez com que o prêmio fosse o principal objetivo, o que aumenta os conflitos e dinamiza a convivência", diz.

"Casa dos Artistas 3" foi recebida com receio pelo meio publicitário: o SBT só conseguiu vender uma das duas cotas de patrocínio, e por um preço 42% mais barato que o cobrado na "Casa 2". "A primeira "Casa" provocou uma grande corrida, mas, agora, a atração já não é mais prioridade das agências, pois preferimos investir onde está a novidade", diz o diretor de mídia da DPZ, Flávio Rezende.

O SBT pretende dar férias à "Casa" assim que terminar essa edição, em 28 de julho, e concentrar esforços em outro "reality show", "Ilha da Sedução". No entanto, segundo o diretor, a emissora não descarta a realização de uma "Casa 4". "É um programa rentável e com bons índices de audiência, por isso não é improvável que haja outra, mas ainda não há nada acertado", diz Carelli.

Leia mais notícias sobre "Casa dos Artistas"


 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página