Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
18/10/2002 - 16h47

Projeto "Dona Canô Chamou" leva comédia para Santo Amaro (BA)

da Folha Online

O projeto "Dona Canô Chamou" dá continuidade à sua programação e volta a Santo Amaro da Purificação, na Bahia, no próximo dia 26, com a peça "Martins, que pena!".

A comédia, que já passou pelas principais cidades baianas, e fez temporada em Curitiba e São Paulo, ficará em cartaz no Teatro Dona Canô, às 21h. Antes, às 20h, o projeto abre seu palco para os artistas locais, com apresentação do monólogo "Low Show", de Álvaro César Olivier.

Esta é a segunda edição do projeto, produzido por Maurício Pessoa e J. Velloso, que tem como principal objetivo promover a formação de platéias e revelar talentos de Santo Amaro.

Os ingressos são vendidos a R$ 5 mais um quilo de alimento não perecível, que serão doados às comunidades carentes de Santo Amaro e instituições filantrópicas da região.



Com texto de Luis Carlos Martins Pena e direção e adaptação de Suzana Veja, a comédia "Martins, que pena!" já foi vista por mais de 30 mil espectadores, das cidades de Salvador, Feira de Santana e Curitiba.

Sob os ares do século 19 e da poluída atmosfera do Brasil atual, uma família vive as contradições de uma sociedade decadente. Misturam-se em cena os gestos caricatos de um período passado com informações musicais, cinematográficas e televisivas de hoje.

Na peça, Jorge é um irmão das almas, profissão comum no século 19 de homens que pediam esmolas nas portas das casas para as missas de almas e santos. Vestiam capa e tinham o respaldo da igreja, que lhes passava um percentual do lucro. Ele é totalmente dominado pela mulher, que o trai com o primo, e pela sogra megera. Morando com ambas após o malfadado casamento e ainda levando consigo a irmã Luísa. Jorge e Luísa vivem o inferno da submissão e do desrespeito e desejam livrar-se dessa situação.

Os espetáculos são mensais, com apresentações até dezembro.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página