Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
24/10/2002 - 19h30

Gravadora Jam Music aposta em veteranos e "novatos"

da Folha Online

"Arrepiômetro". É assim que Jane Duboc define o "método" pelo qual seleciona as demos que chegam à Jam Music, gravadora que criou há três anos com o marido, o empresário Paulo Amorim. "É desta forma que a gente sente o que é verdadeiro e o que é inventado. Quando a pessoa tem uma originalidade e quando é criativa", explica a cantora.

A forma de seleção é bem entendida à luz do que levou à criação do gravadora e da relação desta com seus artistas: acreditar no "arrepiômetro" e desenvolver projetos musicais com liberdade. Com essa política o selo lançou 26 CDs de artistas como Alaíde Costa, Beth Carvalho, Bukassa, Cristina Buarque e Flavia Virginia.

Com 30 anos de carreira como cantora, a empresária Jane Duboc diz que não basta gravar CDs, as dificuldades para emplacar músicas no mercado são muitas.

Contudo, o sucesso conseguido por meio de fórmulas rápidas como a dos "reality shows" ou de ritmos do momento também desperta sua desconfiança.

Mãe do cantor Jay Vaquer, Duboc elogia a geração de filhos de artistas que lançaram CDs nos últimos anos, mas insiste na tecla de que é preciso unir três qualidades para se manter nesse mercado: trabalho, talento e persistência. "Tem muita gente cantando muito bem e que está batalhando há anos. O importante é fazer um trabalho sólido que nunca mais ninguém esquece de você", diz.

Como ultrapassar os obstáculos impostos pelo mercado? "Seria preciso dar uma mexida no sistema educacional, que é falho bem na base. Seria importante que as crianças tivessem contato com a música desde o início na escola", diz.

Leia mais:
  • Jane Duboc comemora 30 anos de carreira com CD e turnê

  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página