Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
11/08/2000 - 19h58

Gafes marcam a noite de premiações da MTV

Publicidade

CARLA NASCIMENTO
da Folha Online

Único da categoria no país, o Video Music Brasil, prêmio da MTV para os melhores videoclipes do ano, está cada vez mais popular. Dez, das 17 categorias são escolhidas pelo público e, desde o ano passado, quando causou polêmica ao "profanar" o templo eletrônico do rock incluindo em sua programação diária clipes de pagode, premia clipes nessa categoria.

Superado o estranhamento e consumado o fato de que a "casa" do rock agora também pode vir a ser o do pagode, a presença de pagodeiros e cantores de axé na 6ª edição do VMB foi grande. Isso era o que todo mundo esperava, e foi o que se viu ontem, no Credicard Hall, em São Paulo. Isso e mais um pouco.

Se a intenção da MTV foi refletir a diversidade que tenta contemplar em sua programação, ela consegiu. O que se poderia chamar de representantes da democracia musical brasileira estavam todos lá. Pagodeiros, baianos de todas as vertentes, nomes já consagrados na MPB, rockeiros, rapers, galãs de televisão e descolados compartilhavam harmoniosamente o mesmo palco.

Mas a premiação, que rendeu 3 pontos de audiência (cada ponto equivale a 80 mil telespectadores na Grande São Paulo) para a emissora na noite de quinta-feira (10), mostrou que o público ainda é restrito e muito específico. A exemplo do que se viu no ano passado, quando a noite do VMB foi dos rapers do Racionais MC's ("Sobrevivendo no Inferno"), esse ano a banda de rock O Rappa dominou a festa, faturando 6 dos 17 prêmios.

Além de ter sido a noite d'O Rappa, essa também foi a noite das gafes e das misturas inusitadas. Imagine num mesmo palco, Sandy e Jr, Zé Bonitinho, Marisa Monte, a Feiticeira, Monique Evans, Regina Duarte, Fábio Jr., Caetano Veloso, Popó e Lilian Witte Fibe. O resultado? O 6º VMB e os vexames.

A noite começou com Os Raimundos fazendo uma versão pra lá de "heavy" de "20 e Poucos Anos", de Fábio Jr. A versão é boa, mas isso foi só uma pequena mostra da salada, nem sempre saborosa, que ainda estava por vir.

O apresentador do "O+", Otaviano Costa, que soltou um singelo "Você está batendo um bolão" para a mestre de cerimônias da festa, Luana Piovani, antes de apresentar a dupla Sandy & Jr.

Depois vieram a ex-modelo e apresentadora Monique Evans e o "travesso" Rodriguinho, apresentando os melhores clipes na categoria axé, que, pouco tendo a dizer, resolveram fazer caras e bocas.

Ivete Sangalo e João Barone apresentaram os clipes na categoria pagode, o tema é claro, não poderia ser outro que não pagode, mas o assunto foi além da capacidade de jogo de cintura de Ivete Sangalo.

Mas na categoria "falta de jogo de cintura" quem ganhou foi a dupla Fernanda Lima e o ator José Loredo, na figura do personagem Zé Bonitinho. Na hora de entregar o prêmio para o melhor web site de artista, eles chamaram a cantora Marisa Monte que não foi ao palco (faria o show no final da noite) e Fernanda Lima perguntava "cadê ela? ela não veio?". A situação foi salva por Luana Piovani ao convidar os web designer do site para receber o prêmio.

Vale nota também a declaração muito "espontânea" do galã do momento Reynaldo Gianechini: "vou fazer uma coisa que eu nunca fiz na frente das câmeras" e como se estivesse gravando as cenas da novela "Laços de Família" dá um típico "beijo de novela" na apresentadora Marília Gabriela. Tudo muito espontâneo, é claro...

Mas o "mico" da noite quem pagou foi Max Fivelinha, ex-cabeleireiro e repórter do "Gordo a Go Go", programa apresentado por João Gordo na MTV.

Numa dessas inusitadas misturas, Fivelinha anuncia o prêmio revelação ao lado do estilista Clodovil. Fivelinha começa alfinentando o público com uma piadinha da qual só ele riu e termina pagando um "mico" ao cobrar as falas de Clodovil que solta essa: " Então tá, Madonna, vamos ao que interessa". Constrangedor.

A surpresa boa foi a participaçâo do diretor de cinema espanhol, Pedro Almodóvar, que bem-humorado, entregou o prêmio de melhor direção.

As homenagens, justíssimas, lembraram Cazuza, morto há dez anos, e Wilson Simonal, que morreu este ano.


Confira os melhores da noite

Escolha da audiência

Video clipe do ano - O Rappa, "A Minha Alma" (A Paz Que Eu não Quero)
Pop- Skank, "Três Lados"
Música eletrônica - Gloden Shower, "Video Computer System"'
MPB - Marisa Monte, "Amor I Love You"
Axé - Daniela Mercury, "Ilê Pérola Negra"
Pagode - Os Travessos, "Meu Querubim"
Democlipe - Radar Tantã, "Na Dúvida Atire"
Rap nacional - Xis, "Us Mano e as Mina"
Rock - O Rappa , "A minha alma" (A paz que eu não quero)
Revelação - Los Hermanos, "Anna Julia"

Escolha da crítica

Videoclipe do ano - O Rappa, "A minha alma" (A paz que eu não quero)
Direção - O Rappa, "A minha alma" (A paz que eu não quero)
Direção de arte - Pato Fu, "Made in Japaan"
Fotografia - O Rappa, "A minha alma" (A paz que eu não quero)
Edição - O Rappa, "A minha alma" (A paz que eu não quero)
Animação - Andrea Marquee, "O que Aconteceu com Nosso Amor"
Web Site de artista - Marisa Monte, www.marisamonte.com.br

Veja galeria de imagens

Leia também:
O Rappa é o grande vencedor da noite de premiações da MTV

Clique aqui para ler mais de Ilustrada na Folha Online

Discuta esta notícia nos Grupos de Discussão da Folha Online - uol.folha.ilustrada.música
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página