Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
22/08/2000 - 13h13

"Aquarela do Brasil" estréia hoje e reproduz o glamour dos anos 40 na Globo

Publicidade

Carla Nascimento
Veja mais fotos
Maria Fernanda Cândido
CARLA NASCIMENTO
da Folha Online

A festa de lançamento da série "Aquarela do Brasil" (Globo), que aconteceu na noite de domingo (20) no Campo de Marte, em São Paulo, antecipou todo o glamour que a produção pretende levar ao ar quando estrear nesta terça-feira (22), às 22h.

Com direito a tapete vermelho, uma big band, recepcionistas vestidas com roupas da época, exposição de aviões da FEB (Força Expedicionária Brasileira), carros dos anos 40 e figurinos e cenários usados nas gravações, a festa foi uma reedição do clima que a série, de autoria de Lauro César Muniz e dirigida por Jayme Monjardim, quer passar para o público.

Os mestres de cerimônia formaram um time de beldades: Thiago Lacerda, Maria Fernanda Cândido, Edson Celulari e Daniela Escobar, que interpretam os personagens principais na minissérie. Eles, os "mestres de cerimônia", apresentaram "Aquarela do Brasil" aos convidados, que lotaram um dos pavilhões do Campo de Marte.

O holocausto, a participação do Brasil na 2ª Guerra Mundial e a época de ouro do rádio são elementos presentes na trama. Segundo o ator Edson Celulari, serão estes os assuntos que a série vai resgatar. Celulari explicou ainda que o nome da série, que faz referência à música homônima, de autoria de Ary Barroso, foi escolhido porque pinta o Brasil com cores vibrantes, como na época de ouro do rádio.

Daniela Escobar, que interpreta uma refugiada judia, falou sobre o holocausto. Thiago Lacerda ensaiou alguns passos de samba ao subir ao palco para chamar a cantora Carmem Costa, homenageada da noite.

Segundo Lacerda, galã revelado na novela "Terra Nostra", os atores assistiram a palestras sobre a questão do nazismo e sobre a era de ouro do rádio para compreender melhor o clima vivido no período.

Holocausto

Um aspecto que será muito explorado em "Aquarela do Brasil" é a chegada de refugiados judeus ao Brasil, que será vivida na trama pelos personagens de Daniela Escobar, Luciano Szafir, Gilberto Marmorosh e Débora Olivieri.

Para Luciano Szafir, de origem judaica, "Aquarela do Brasil" vem suprir uma lacuna na televisão brasileira que é informar mais o público sobre o assunto e mostrar a posição do Brasil durante a 2ª Guerra. Sobre o personagem que vai interpretar, ele diz que já está pronto e, coincidentemente, todo o núcleo judeu na trama é composto por atores de origem judaica. "Ainda hoje esse tema é interessante. Tem gente que não acredita que aquilo aconteceu", disse.

Segundo o autor de "Aquarela do Brasil", Lauro César Muniz, inicialmente a série não fará referências a Olga Benario, judia, ativista comunista, mulher de Luis Carlos Prestes, que foi presa pela polícia política de Getúlio Vargas e extraditada para a Alemanha nazista quando estava grávida. Olga morreu num campo de concentração nazista.

Muniz explicou que não fará referências a Olga porque a trama começa em 1943 e Olga morrera um ano antes.

Veja galeria de fotos "de época"

Veja galeria de imagens da festa de lançamento

Clique aqui para ler mais de Ilustrada na Folha Online

Discuta esta notícia nos Grupos de Discussão da Folha Online - uol.folha.ilustrada.televisão
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página