Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
07/07/2003 - 08h05

Novo álbum do Skank leva Beatles ao Clube da Esquina

PEDRO ALEXANDRE SANCHES
da Folha de S.Paulo

Muitos sons ecoam em "Cosmotron", o mais sério e compenetrado álbum do Skank. O mais evidente é uma fusão bem mineira dos Beatles de "Revolver" (66), "Sgt. Pepper" (67) e do "White Album" (68) com o Clube da Esquina (que já incorporava Beatles em sua carga genética).

Parece saudosista? Sim. Mas rende belos bordados melódicos (e potencialmente populares) em faixas como "Bordado Mínimo" (de proparoxítonas à moda de Chico Buarque), a tristonha "As Noites", a sedutora "Pegadas na Lua" (de Samuel Rosa com o desperdiçado Humberto Effe).

A síntese, nesse aspecto, é mesmo "Dois Rios", de letra simbolista de Nando Reis e melodia trançada por Samuel e Lô Borges. É onde os rapazes dizem tudo o que querem dizer em "Cosmotron": viramos gente grande, ainda somos o Skank.

Tal concentração não significa sisudez nem mero passadismo, no entanto. Há o outro lado, que procura efeitos retrofuturistas, arestas eletrônicas, melancolia tipo Coldplay.

São assim a vigorosa "Nômade", a psicodélica "Supernova" (com versos-imagens de Fausto Fawcett) e "É Tarde".

Se "Supernova" (o nome, não a música) faz lembrar de "Champagne Supernova" (94), do Oasis, não é só mera coincidência. Para soar contemporâneos em meio a tanto John, Paul e Milton, a curva vai a Oasis e a Blur -neo-Beatles de alguns anos atrás.

De novo aí o Skank se arrisca na pauta do saudosismo, do passadismo. As imagens e as macias melodias do disco, mesmo as mais contemporâneas delas, apontam mais para o passado que para o futuro. Ficamos ligeiramente sem saber qual é de fato a identidade da banda que toca essas belas canções.

Ficamos, um pouco, com o instante congelado no tempo em que Milton, Fernando Brant, Lô e Márcio Borges cantavam, "Para Lennon e McCartney" (70), que eles não sabiam do lixo ocidental. A diferença é que hoje "eles" sabem um pouco mais, como o Skank viu em Roskilde -e nós, sabemos?

Avaliação:

Cosmotron
Grupo: Skank.
Lançamento: Sony.
Quanto: R$ 28, em média.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página