Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
28/08/2000 - 20h26

Brasileiro "latin lover" em dramalhão mexicano fica no país até setembro

Publicidade

Neuzinha Ferreira

O ator Guy Ecker
CARLA NASCIMENTO
da Folha Online

Brasileiro, loiro, olhos verdes, 41 anos, nome de ator americano e galã de novela mexicana. Com esses atributos Guy Ecker chegou ontem ao Brasil para promover a novela "A Mentira", produzida pela emissora mexicana Television, em 1998, e exibida no Brasil desde maio deste ano pelo SBT.

Ecker vive o personagem Demétrio, um engenheiro sexy e bonitão que se apaixona por Veronica (Kate Del Castillo). O problema é que, mesmo apaixonado, Demetrio acredita que Veronica é a culpada pela morte de seu primo e quer se vingar da moça. Dramalhão típico, a novela foi sucesso no México e transformou Ecker no galã da vez no país.

Filho de americanos, nascido no Brasil, a carreira de Ecker como ator começou aos 25 anos, quando conheceu a atriz de televisão americana Nia Peoples, com quem ficou casado durante dois anos.

Apesar dos 15 anos de carreira, o currículo do ator deixa a desejar. Foram apenas 3 filmes (que ele espera que o público brasileiro nunca assista). "Não que sejam pornôs. São divertidos e bonitos, mas o conteúdo não é dos melhores", adverte. Fez também 3 novelas (duas colombianas e uma mexicana) e uma minissérie.

Simpático e bem-humorado, o discurso de Ecker sobre o papel da televisão agradaria a qualquer militante de esquerda. "A televisão na América Latina tem tendência a manter o povo onde ele está", dispara.

"A função da televisão é educar e entreter e eu sempre gosto de fazer trabalhos desse tipo na televisão", disse. Como toda regra tem sua exceção, Ecker não teve qualquer problema em admitir que "A Mentira" não tem esse "papel educativo". "Tentaram colocar uma discussão sobre as drogas, mas isso virou uma história secundária", revelou.

Ação social, "pero no mucho". Ecker tratou logo de explicar porque aceitou fazer "A Mentira". "Essa é minha primeira novela no México e era a melhor opção que eu tinha naquele momento", disse. Apesar disso, ele garantiu que o interesse pelas causas sociais não fica apenas no discurso. "Em todo lugar em que chego procuro fazer ações desse tipo. Procuro me envolver em causas que trabalhem com a questão ecológica e ajudar as crianças."

Há 7 anos longe do Brasil, Ecker admite conhecer pouco da televisão brasileira. Há apenas uma semana começou a assistir a Globosat e, mesmo assim, arrisca alguns palpites.

Citou as globais "O Rei do Gado" e "Terra Nostra" como exemplos de telenovelas bem produzidas. Dos atores só consegue citar os galãs Tarcísio Meira e Francisco Cuoco. E do pouco que viu arriscou: "Tem muita educação na televisão brasileira".

Apesar do sucesso que fez na Colômbia (como o personagem Sebastian na novela "Café con Aroma de Mujer"), no México e que agora tenta emplacar no Brasil, os planos de Ecker vão mais longe. Ele quer entrar no mercado americano pela porta já aberta pelos latinos.

Enquanto o sucesso americano não chega, ele não nega que a próxima parada seja o Brasil. O rapaz está sem contrato e aceita propostas de trabalho. Tudo vai depender do sucesso que fizer pelas bandas de cá. Por enquanto ele ainda não sentiu o gostinho da fama por aqui. "Até agora só fui reconhecido pela mulher que vende o cachorro-quente aqui na rua do hotel", brincou.

Clique aqui para ler mais de Ilustrada na Folha Online

Discuta esta notícia nos Grupos de Discussão da Folha Online - uol.folha.ilustrada.televisão




 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página