Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
11/08/2003 - 11h56

Televisão ganha espaço na volta do MIS

Publicidade

da Folha de S.Paulo

O Museu da Imagem e do Som (MIS) reabrirá suas portas, depois de mais de um ano e meio de reformas, com uma série de eventos, entre os dias 18 e 26 de agosto.

Na reabertura, o local dará ênfase à reestruturação de seu acervo e a algumas mudanças de conceito, como a maior valorização da TV.

De 19 a 24 de agosto, acontece o ciclo "Televisão Paulista: 1965-2000", com a exibição de 18 programas históricos das últimas quatro décadas. Na seleção, estará, entre outros, o musical "Jovem Guarda", apresentado por Wanderléa, Roberto e Erasmo Carlos na Record, o "Fábrica do Som", que lançou os Titãs na TV Cultura, episódio da série "Malu Mulher", com Regina Duarte, da Globo, o infantil "Vila Sésamo" (Cultura e Globo), e a série "Beto Rockefeller".

Também serão exibidos programas mais recentes, como o "Aqui e Agora", do SBT, do início da década de 90, que deu origem a vários outros policialescos, e o "Rá-Tim-Bum" (Cultura), dirigido por Fernando Meirelles ("Cidade de Deus"), que inaugurou uma nova linguagem na programação infantil.

Homenagem

Haverá apresentação, no dia 21, às 20h30, de Max de Castro, Vanessa da Mata e do grupo Demônios da Garoa. O show será uma homenagem a Adoniran Barbosa (1910-1982), cujo acervo poderá ser absorvido pelo MIS.

Para marcar a iniciativa de investir em novas mídias, o MIS também dará abrigo à exposição "Versus", com uma videoinstalação de Tadeu Jungle. A obra projeta imagens de torcidas de times rivais em duas paredes. Entre elas, haverá uma linha branca no chão e o espectador assistirá a um jogo de futebol sob a perspectiva do torcedor.

Na área cinematográfica, o museu irá comemorar o cinquentenário do primeiro longa-metragem brasileiro, "O Saci" (1953), dirigido por Rodolfo Nanni, com Nelson Pereira dos Santos como assistente de direção. O filme, baseado nos personagens de "Sítio do Picapau Amarelo", de Monteiro Lobato (1882-1948), será exibido no dia 23, às 15h.

A reabertura, no dia 18, também contará com a exposição "Nas Lentes de "O Cruzeiro", os Dois Brasis de Henri Ballot", com fotos de índios do Alto do Xingu publicadas na revista "O Cruzeiro", na década de 50.

Para fechar a programação da reabertura, no dia 26, haverá o debate "Memória, Imagem e Som: Desafios Contemporâneos", cujo objetivo é discutir a reestruturação do MIS. Na mesa, participarão Denise Bernuzzi de Sant'Anna, historiadora da PUC-SP, Roberto Moreira, cineasta e professor da Escola de Comunicações e Artes da USP, e Regina Porto, musicista e jornalista.

O MIS está sob direção de Amir Labaki, que já ocupou o cargo de 1993 e 1995 e é também crítico de cinema, articulista da Folha e diretor do festival de documentários É Tudo Verdade.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página