Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
28/10/2003 - 15h02

Saiba quem foi a cantora carioca Nora Ney

Publicidade

MARCELO MANSFIELD
Especial para a Folha de S.Paulo

A cena é típica: uma mesa de bar, fim de noite... pouca luz, pouca gente... um garçom enxuga o copo. A mulher de olhar triste senta-se, e com sua voz sofrida, diz: "Eu quero ficar sozinha".

Parece cena de um filme de Greta Garbo, mas é pura Nora Ney, a cantora brasileira que cantou a solidão como ninguém. Se tivesse ouvido seus discos, nem a própria Garbo teria se levado a sério.

Antes de ser eleita "Rainha do Rádio de 1953", Iracema de Souza Ferreira se apresentava como Nora May. Uma fã desavisada trocou as bolas, e ela acabou assumindo o Nora Ney.

Frequentava, então, o Sinatra-Farney Fan Club onde conheceu Johnny Alf, João Gilberto, Baden Powell, Lúcio Alves e Carlos Manga.

Foi lá que esta jovem, nascida em 20 de março de 1922, conheceu também Osvaldo Elias, que a apresentou a Sérgio Vasconcelos, homem forte da Rádio Tupy-Tamoio. "Assim que cantei no rádio", disse Nora, "fui logo ouvida por Haroldo Barbosa, que falou maravilhas a meu respeito a seu amigo Almirante. Entendi que minha vida iria mudar".

Mas não sua voz. Nora Ney só cantava músicas em inglês ou francês, por achar sua voz "curta", embora em seu primeiro show e em seu primeiro programa de rádio, ela tenha cantado "Último Desejo", de Noel Rosa. Que só viria a gravar, veja só, 36 anos depois.

"Na minha voz, as frases musicais não vibram", justificava. "Ninguém me ama e pronto, entende?" Ou seja, a jovem cantora não tinha aquele vozeirão "a La Dircinha Batista" para cantar as músicas da época, embora se saísse bem, muito bem, aliás, cantando "Se Eu Morresse Amanhã", de Antônio Maria, gravado também, acreditem, por Dircinha Batista. Mas sua pouca extensão e sua voz noturna, cabiam mais nos "standards" americanos.

Foi em 1952 que lançou seu primeiro disco, "Menino Grande", pela Continental. A música era declaradamente a preferida de Getúlio Vargas, que a ouvia entre uma e outra ida ao teatro de revista, onde outra de sua favoritas, Virgínia Lane, cantava a recém-lançada "Sassaricando".

O "velho" não era de ficar na porta da Colombo, mas às vezes parecia um "menino grande". É interessante notar que Nora Ney fosse a cantora predileta de um ditador --ela, que anos depois, seria exonerada da rádio Nacional, por motivos políticos.

Escândalos? Poucos, mas bons. Nora Ney era crooner do Copacabana Palace, quando conheceu Jorge Goulart. Estava separando-se do primeiro marido, com quem teve dois filhos, Hélio e Vera Lúcia, que anos depois seria uma das muitas miss Brasil.

Os jornais tiveram um dia cheio. Eram tantas as insinuações de um romance entre os dois famosos cantores, "que acabamos tendo", declarou Nora anos mais tarde. Viveram juntos por 39 anos, casando-se, oficialmente, em 20 de março de 1992 exatamente no dia que a cantora completava 70 anos.

Quem disse "ninguém me ama" estava enganada.

Juntos, partiram para uma vitoriosa viagem pelo mundo. Para se ter uma idéia do carisma dos dois, na China, num estádio com 45 mil pessoas, Jorge Goulart fez todos cantarem o refrão de "Aurora". Em português. E quando Nora Ney subiu ao palco, e desfilou seus números, ainda teve que bisar "Ninguém me Ama".

Se não entendiam sua língua, entendiam sua arte.

Let's Rock

Era 1955, e "Sementes da Violência" lotava os cinemas. Sem saber muito o que fazer com aquela musica estranha, os homens de rádio deram a Nora Ney a incumbência de cantar o primeiro rock'n'roll gravado no Brasil: "Rock Around the Clock".

Trinta e cinco anos depois, ao se apresentar num programa da rádio Cultura, a cantora que começou cantando Cole Porter e George Gershwin declarava que gostava de música erudita, jazz, samba, rock e até "punk..., se for boa". Sempre moderna.

E dá-lhe sucesso. Depois de amargar com a perseguição política, ela voltou com tudo ao lado de suas velhas amigas da época de ouro do rádio para um dos melhores shows da segunda metade do século 20, batizado obviamente de Cantoras do Rádio.

No palco, ao lado de Carmélia Alves, Zezé Gonzaga, Ellen de Lima, Rosita Gonzales e Violeta Cavalcante, sua figura esguia, cabelos puxados num coque e um longo vestido escuro, esfumaçava a sala com suas músicas cheias de cigarros, martinis, crises de solidão e conversas de fim-de-noite. Um sucesso que se arrastou por anos. Poucas bandas de rock tiveram carreira longa quanto essas eternas rainhas e seu show bem comportado.

Outra faceta da vida de Nora Ney, era o fato de manter na "Revista do Rádio", durante bom tempo nos anos 50, uma coluna onde respondia cartas abertas aos fãs.

E até hoje, seus fãs ainda estão por aí. Quer ver só?

Lilian Fernandes, contemporânea da cantora, nos seus tempos de vedete, a encontrava sempre nas reuniões na casa do diretor Carlos Manga: "Muito agradável, humilde, simples, que fez de tudo na vida e fez perfeito. Seu repertório é fantástico", conclui.

"Ninguém é mais elegante. Séria", diz a atriz Grace Giannoukas, que já utilizou músicas da cantora em um dos seus shows. Angela Dip, atriz, diz que "ouvir suas músicas é de cortar os pulsos. Seria o equivalente a Zélia Duncan hoje em dia. Além do que, adoro o nome dela".

Maysa era "Rainha da Fossa", Eliseth Cardoso era "Divina", Carmem Miranda era a "Pequena Notável" e Aracy de Almeida era "O Samba em Pessoa". E Nora Ney é Nora Ney, oras. Imitada, mas nunca igualada.

Marcelo Mansfield é ator e faz parte do elenco do grupo Terça Insana. Já atuou nos filmes "Festa", do diretor Hugo Giorgetti, "Oswaldianas", de Inácio Zatz, e também em novelas como "Direito de Nascer", "Desejos de Mulher" e "Mulheres de Areia".


Leia mais
  • Morre no Rio, aos 82 anos, a cantora Nora Ney

    Especial
  • Veja fotos da cantora carioca Nora Ney

    Sites relacionados
  • Ouça músicas de Nora Ney na Rádio UOL (só para assinantes)
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página