Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
09/01/2004 - 18h09

"O Bandido da Luz Vermelha" sintetiza o caos do Terceiro Mundo

Publicidade

JOSÉ GERALDO COUTO
colunista da Folha

Rogério Sganzerla, que tinha apenas 22 anos quando realizou "O Bandido da Luz Vermelha" (1968), qualificava-o como "faroeste do Terceiro Mundo".

A definição é brilhante, mas incompleta. Quanto mais o tempo passa, mais o "Bandido" se revela um prodígio de muitas faces.

Filho extraviado do cinema novo, Sganzerla realizou em seu longa de estréia uma síntese radicalmente pessoal de muitas vertentes: o cinema clássico norte-americano, a nouvelle vague francesa, a chanchada brasileira, as narrativas radiofônicas, as histórias em quadrinhos, a ficção científica e mais uma porção de coisas que nunca acabamos de descobrir.

Em lugar dos camponeses, operários e intelectuais do cinema novo, Sganzerla punha em cena um anti-herói saído do lumpesinato, retratando de modo muito mais preciso o caos e o lixo produzidos pela modernização conservadora do país.

O cineasta teve a idéia do filme voltando ao Brasil depois de um giro pela Europa. Quando começava a julgar a idéia fantasiosa demais, caiu-lhe nas mãos um jornal popular narrando as façanhas de um assaltante mascarado que aterrorizava São Paulo. Realidade e fantasia rivalizavam.

Na Boca do Lixo paulistana, Sganzerla encontrou o ambiente ideal para contar a história de seu bandido, e no "Humphrey Bogart caboclo" Paulo Villaça o ator perfeito para encarná-lo.

Colocou em sua boca falas proféticas, perturbadoras: "O Terceiro Mundo vai explodir", "Quem tiver sapato não sobra", "Quando a gente não pode fazer nada, a gente avacalha".

O "Bandido da Luz Vermelha" subverteu valores, satirizou a política e a moral, redefiniu a paisagem urbana, justapôs o arcaico e o futurista.

Colagem de linguagens e referências, orquestradas por uma magnífica montagem de inspiração plástica e musical, é uma obra ao mesmo tempo popular e de vanguarda, uma obra-prima que não pára de nos maravilhar.

Leia mais
  • Morre em São Paulo o cineasta Rogério Sganzerla
  • "O Bandido da Luz Vermelha" deu projeção a Sganzerla; veja lista de filmes
  • Inácio Araújo: Primeiro, houve Glauber; depois, Rogério
  • Repercussão: Cineastas e produtores falam sobre Rogério Sganzerla

    Especial
  • Veja fotos do cineasta Rogério Sganzerla
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


    Voltar ao topo da página